segunda-feira, 28 de maio de 2007

Sou vítima de maus tratos domésticos

Ontem os meus pais foram para fora por um dia ou dois. Antes de sair, acordaram-me (primeira marca de abuso) e disseram - Deixámos-te uma prenda na cozinha.

Espumando de felicidade, lá fui eu directo para a cozinha, passadas 3 horas e meia de receber a notícia. E ali estava, dentro da sua caixinha, o palmier recheado de chantilly mais douradinho que eu vi na vida.

Presente envenenado! Aquele chantilly já não estava grande coisa; passadas algumas horas ainda estava super enjoado. Isto foi de propósito. Eles pensavam que se fizessem aquilo e fossem para fora, que eu me iria sentir mal mas eles não se sentiriam culpados com os meus lamentos de dor. Assim, sem possibilidade de sentir remorsos e comigo sozinho, ninguém me poderia acudir. Eu teria uma morte lenta e dolorosa (mas doce) e deixaria os meus pais bem mais à vontade, quem sabe, para até adoptar outra criança. Por momentos pensei em ir à lista telefónica, procurar uma dessas linhas verdes de apoio. Dá muito trabalho. Deitadinho no sofá a ver a final da Taça é que é.

Se bem me conheço, nos próximos anos não vou poder ver chantilly à frente. A última vez que isto aconteceu eu tinha 6 anos. Fartei-me de comer pão com chórisse (eu sei que não é assim que se escreve chouriço, mas ser labrego adiciona toda uma nova dimensão de piada à coisa), também já não devia estar em grandes condições, e pronto. Parecia a miúda daquele filme, "O Exorcista", que estava possuída. Tudo bem, a minha cabeça não dava a volta aos ombros, e a voz dela a insultar o padre era bem mais grave que a minha, mas para todos os efeitos, vomitei que foi uma coisa parva. Isto já foi há 19 anos... Vou passar 19 anos sem chantilly?

Qualquer dia estou no quarto com uma bruta de uma sueca (bruta mas naquele sentido fofinho), daquelas de fazer parar o trânsito sem farda e apito, e ela diz-me "Tenho uma prenda para ti...", para a seguir aparecer coberta de chantilly em certas partes estratégicas. E eu ali, acabadinho de chegar de um retiro de 3 anos no Tibete, sem ter tido acção da boa durante toda a estadia, a ser completamente desmasculinizado pelo cabrão do chantilly.

- Deves ter algum problema. Os portugueses são todos iguais!

- Não tenho problema nenhum! Ok, sou português, mas fica sabendo que nasci nas Caldas da Rainha! Eu só não gosto é de chantilly! Vai tomar um banhinho e a gente já fala, amor.

Para não ficarem a pensar que foi inútil ler este desabafo, vou-vos ensinar duas coisas.
"Palmier" em português quer dizer "Palmeira", e "Tenho uma prenda para ti" em sueco diz-se "Jag har en gåva för dig". Não sei porque é que os meus pais me quiseram fazer mal se eu, mesmo quando sou maltratado, não consigo deixar de partilhar o meu vasto conhecimento com o mundo.

É triste.

6 comentários:

Rita Marques disse...

Bem... dizes tu que foste maltratado...
Se a guerra no mundo fosse feita de maus tratos desses, estávamos nós todos no paraíso!

João Marques disse...

No paraíso só com trouxas de ovos. Existem doces e existem trouxas de ovos. Mas concordo com a Rita, oxalá todos os problemas fossem deste tipo.

Teresa disse...

Já agora... não se diz "prenda" nesse sentido. É "presente".
Mas sorri bastante.

Pedro M. disse...

Teresa, muito obrigado pelo seu sorriso, foi um belo presente ;)

Quando ao uso inadequado da palavra prenda, corrija os meus pais, não me corrija a mim... :(

Anónimo disse...

´pois com lágimas a correr pela cara vos conto que á dois anos sofro com violencia domestica e não imaginam a tristeza por não conseguir denunciar o meu marido pois tenho medo diz que me mata á 5 dias atras virou-se a mim de faca enquanto meus filhos de 6 e 5 anos dormiam desculpem mas não consigo continuar.....

Anónimo disse...

de facto Pedro... falar de maus tratos desta forma, leve e doçe... é surreal!! Ainda bem para si que vive nessa realidade.