segunda-feira, 4 de junho de 2007

Isto é só um desabafo, porque até os há bem simpáticos

Aqueles palhaços, todos vestidinhos de preto, davam uma bela equipa de arbitragem. Tenho quatro drógádos na minha rua. Um é o árbitro principal. O jovem corre para um lado, corre para o outro, assobia, marca faltas às pessoas quando o carro não fica arrumado um milímetro mais para a esquerda ou para a direita... Enfim. Cheira-me é que o quarto árbitro da minha rua, quando desaparece misteriosamente todos os dias à mesma hora, não lhes vem trazer uma garrafinha de bebida energética e um pacotinho de M&M's para equilibrar o nível de açúcar no sangue. Será que devo chamar a PSP? É melhor não, aquilo a dividir por 4 já não chega para mais que um dia, quanto mais a dividir por 5 ou 6. Além disso aquilo são pessoas com um dom para fazer novas amizades.

Dantes, quando a polícia aparecia (sinto-me esquisito a dizer bófia), fugiam dela como o Diabo da sopa de peixe sem peixe que se come cá em casa. Depois começaram a mudar apenas de lado da rua. Agora já falam e trocam gracejos com os senhores agentes. Um dia destes até me pareceu ter visto uma troca de olhares com alguma dose sensualidade entre dois deles. Deixa-me cá mas é ficar quietinho.

Voltando ao arrumador-mor, ou DrugaDux (que belo trocadilho universitário que só 7 ou 8 pessoas vão perceber), como lhe gosto de chamar: é inútil discutir com aquela besta. Eu não sei que tipo de droga é que aquele drógádo toma, que mesmo que só caiba ali uma mota, tem sempre de gritar "Ó CHEFE, META MAIS PRÓ LADO! MAIS PRÓ LADO C@R@LHO! ENTÃO NÃO TÁ A VER QUE CABEM AÍ TRÊS?"

Cabem aí três, cabem. Cabem três bardafos bem medidos nessa fuça, ó drógadito de merdum. O que é que é feito do código de honra dos drógádos, que estes anormais até com mulheres e velhotes gritam? Ficam práli a insultar, a insultar, às vezes até asneiras que eu não conheço (ok, é verdade que conheço poucas, e provavelmente vou tentar usá-las todas até ao fim deste desabafo). Era bem feito que toda a gente que estivesse ali na fila para a segurança social ou para o centro de saúde começasse a gritar "Ó PALHAÇO, A TUA MÃE GOSTAVA TANTO DE TI QUE QUANDO ESTAVA GRÁVIDA BEBIA UM GARRAFÃO DE TINTO A TODAS AS REFEIÇÕES ENQUANTO JOGAVA À BISCA DOS NOVE CA TUA TIA!".

O tal que é o principal é um tipo muito ecléctico. O gajo assobia afinadinho comó caraças (embora não deixe de ser irritante). Sabe muitas músicas. O pior é quando ele as canta. Anda tanta gente por aí a causar acidentes e a andar fora de mão e não há ninguém que o atropele...

- ESTA VIDA DE MARINHEIRO, ESTÁ A DAR CABO DE MIM, ROPAROPAROPAROPAROPAROPOPO! HEI!

Amiguinho, não sou médico, mas esse nevoeiro todo não me parece que seja da maresia. É capaz de ser é da droga. Já agora, se algum membro dos Sitiados, banda que "compôs" este belo hino, me está a ler, fica aqui o meu conselho. Larga tu também a droga, pá. Mas que musiquinha mais azeiteira! Eu nem com um quilo de haxixe preso a cada uma das orelhas era capaz de fazer pior! Por favor, não gravem mais nada. Aquele drogadote ainda é capaz de aprender mais uma das vossas musiquetas e depois quem tem de mudar de casa sou eu.

Pode ser que com sorte me mude para um bairro com drógádos surdos mudos (ai perdão, arrumadores, que se não formos politicamente correctos rogam-nos logo uma praga).

5 comentários:

Anónimo disse...

Já uma sociedade normal não pode ter "drógados"!!! Antigamente havia-os, é certo, mas também havia overdoses!!! Agora é o que se vê...

Pedro M. disse...

Tens razão. Têm cá uma resistência... Deviam mandá-los competir em provas de fundo. Aliás, o Carlos Lopes e a Rosa Mota não têm um ligeiro ar de agarrados?

Rita Marques disse...

opah!...
as drogas nao são um vício?
Tu nao és viciado em coisas? (nao interessa o quê...)
Então? Já viste algum toxicodependente (para ser politicamente correcta) condenar-te por teres os teus vícios?
Penso que não.

Jorge disse...

1º - A esta altura do campeonato já devias saber mais asneiras. Andas a conviver comigo para quê???
2ª - Genial!
3ª - Quantos nós não teve já o instinto de passar um desses drogaditos a ferro? Acho que devia ser aprovado uma portaria que permitisse atropelar uma determinada quota por dia. Vai um gajo parar o carro num parque deserto e está lá um desses caralhitos a pilhas de heroína, que vem a correr dizer que o carro está bom, quando já estamos a sair do mesmo. Francamente... Não venham os puritanos dizer que não era bem aberto o crânio desse urso com um bastão de baseball!!!
4º - Antes que começem a pensar que sou fascista (que pelos vistos é o que a minha namorada pensa de mim), é melhor dizer que estava a brincar :P

Rui disse...

A brincar a brincar es pior que o salazar... :P
Quem faz a mistura da droga deve é enfiar para la antibioticos com fartura pos mitras durarem mais uns anitos.