sábado, 27 de outubro de 2007

Ai está tão estragada...

A minha mãe é incapaz de não esboçar comentários sobre as pessoas, enquanto vê televisão.

- Ai, fulano tal está com um ar velho...

- É normal, TIPO, ele já tem 70 e tal anos...

- Ai (a partir de uma certa idade, todas as frases das nossas mães começam com um "ai") a fulana está com a pele tão envelhecida... Deve ser do sol.

- Deve ser do sol, deve. Já casou cinco vezes, havia de ter vinte anos, não (ia fazer um trocadilho com a pele envelhecida, mas sinto que não vale a pena, as vossas imaginações encarregar-se-ão do resto) ?


Realmente, os nossos pais, pelo menos aqueles que ainda pertencem à geração da velha guarda (trocadilho não premeditado), vivem num período espaço-temporal completamente à parte. Ouvem-se gritos de revolução, o Carlos do Carmo ainda tinha grande parte do cabelo, o Benfica ainda era um clube grande, e a Volta a Portugal ainda movia as populações. É a partir da visualização desta década que se invertem os papéis.

- Ai (agora já sou eu a falar; a convivência com pessoas mais velhas é contagiante), nos anos 70 as pessoas tinham cá um ar de velhos jarretas... Cadê (precioso, este termo) os umbigos à mostra, as calças de ganga de cintura descaída e os tops de cores garridas, mesmo estando em Outubro?

Não vale a pena discutir com ela. Antigamente tudo era muito melhor, as pessoas eram mais felizes com menos bens (tradução: não tinham a noção do que estavam a perder; como é possível estar bem com poucos bens?), as raparigas não eram tão desavergonhadas (e pessoalmente acho que ainda são pouco, em 2020 é que vai ser bom), não havia tanta corrupção (claaaro que não) e a fruta não apodrecia tão facilmente, para além de saber melhor.

Felizmente, agora não há fruta que não tenha o seu sabor espelhado numa bola de gelado.

4 comentários:

mik@ disse...

como eu te compreendo.
ha tempos passei 2 semanas de ferias cm os meus avós. a minha avó tb nao se cala a ver tv. no principio ainda era naquela.. mas depois ficou impossivel de ver tv. despertou em mim certos instintos menos simpaticos em mim...

Carla disse...

Aiiiiiiiii, (suspiro)...
Foi de recordar umas férias no Algarve, São Brás de Alportel, percurso de 1989,da volta a Portugal. Toda a população saia à rua para guardar lugar 2-3 horas antes dos ciclitas passarem; entretanto aproveitava-se para se fazer uma boa sardinhada bem regada com vinho e cervejas fresquinhas...Esse foi o ano em que descobri que a tv também filmava pessoas comuns, como o meu primo a falar francês macarrónico e apregoar que vinho bom é o de França - claro que levou logo com uma sardinha nas trombas vinda não se soube de onde!Foi um descanso já ninguém o podia ouvir com a bebedeira que tinha no pêlo
Também foi o ano de férias que se praticou as competições parvas de quem come mais figos (no terraço onde estava a secar)sem ficar de diarreia, ou a coragem de subir à nespreira sem se ficada pelas vespas que, irónicamente, ai tinham feito o seu lar...aiiiiiiiiiiii (ganda suspiro...)
Antigamente as coisas até podiam não ser melhores, mas o "andamento" que tinhamos era muito diferente de agora... Agora parece que o tempo não chega para nada, tantas são as solicitações que fazem, já não se pode estar no terraço a saborear um figo sem que vai o bófia perguntar se somos da familia?!! Nãooooooooo, só estamos ali para roubar figos deitados no chão quente!O o chapéu-sol aberto com a geleira por baixo,com cervejinhas e sumol geladinho e ter o rádio ligado no máximo, era só para disfarçar...
Ai, outros tempos, outros Algarves, onde se um estrangeiro aparecia notava-se logo a pinta; agora fazemos isso é ao Tugas que aparecem pois os outros encontraram o paraíso e não abrem mão disso, foram-se instalando, passaram a conhecidos e amigos.
Hoje algumas das imagens já não se encontram,mas a memória ainda traz ao relento os dias quentes que percorriamos de burro pelos caminhos de pedra...e as brincadeiras idiotas e criativas que tinhamos de fugir quando faziamos asneira.
Bons tempos esses tempos da velha guarda. Obrigada por me lembrares disso.
CB

Carla disse...

Aiiiiiiiii, (suspiro)...
Foi de recordar umas férias no Algarve, São Brás de Alportel, percurso de 1989,da volta a Portugal. Toda a população saia à rua para guardar lugar 2-3 horas antes dos ciclitas passarem; entretanto aproveitava-se para se fazer uma boa sardinhada bem regada com vinho e cervejas fresquinhas...Esse foi o ano em que descobri que a tv também filmava pessoas comuns, como o meu primo a falar francês macarrónico e apregoar que vinho bom é o de França - claro que levou logo com uma sardinha nas trombas vinda não se soube de onde!Foi um descanso já ninguém o podia ouvir com a bebedeira que tinha no pêlo
Também foi o ano de férias que se praticou as competições parvas de quem come mais figos (no terraço onde estava a secar)sem ficar de diarreia, ou a coragem de subir à nespreira sem se ficada pelas vespas que, irónicamente, ai tinham feito o seu lar...aiiiiiiiiiiii (ganda suspiro...)
Antigamente as coisas até podiam não ser melhores, mas o "andamento" que tinhamos era muito diferente de agora... Agora parece que o tempo não chega para nada, tantas são as solicitações que fazem, já não se pode estar no terraço a saborear um figo sem que vai o bófia perguntar se somos da familia?!! Nãooooooooo, só estamos ali para roubar figos deitados no chão quente!O o chapéu-sol aberto com a geleira por baixo,com cervejinhas e sumol geladinho e ter o rádio ligado no máximo, era só para disfarçar...
Ai, outros tempos, outros Algarves, onde se um estrangeiro aparecia notava-se logo a pinta; agora fazemos isso é ao Tugas que aparecem pois os outros encontraram o paraíso e não abrem mão disso, foram-se instalando, passaram a conhecidos e amigos.
Hoje algumas das imagens já não se encontram,mas a memória ainda traz ao relento os dias quentes que percorriamos de burro pelos caminhos de pedra...e as brincadeiras idiotas e criativas que tinhamos de fugir quando faziamos asneira.
Bons tempos esses tempos da velha guarda. Obrigada por me lembrares disso.
CB

Pedro M. disse...

É bom saber que, de vez em quando, faço com que as pessoas se lembrem de bons momentos passados. Normalmente só faço relembro traumas ;)