sexta-feira, 26 de outubro de 2007

O vosso tempo merece resposta.

Tendo em conta que a minha resposta a quem comentou este post se estava a tornar demasiado extensa, decidi escrever um novo, acerca do assunto. Não pensem que é para aumentar a contagem de posts e assim encher chouriços. Eu nunca faria isso! Nunquinha!

Por acaso desta vez não estava à espera deste tipo de comentários, por um sem número (soa tão foleiro dizer "um sem número") de motivos.

Em primeiro lugar, porque o primeiro comentário anónimo pode ser de uma coisa do outro mundo em formato de mulher, sem ser a filha do Nené (já sabes, o procedimento é sempre o mesmo, enviar foto em bikini de frente e em perfil para o meu mail).

Em segundo lugar, porque pessoas que não me conhecem de lado nenhum perderam minutos das suas vidas para escrever os conselhos que acham melhores para mim. Isso é muito bom, porque me faz sentir mais importante do que sou.

Embora seja inspirado sempre pela mesma pessoa a escrever estas coisas tão fofinhas (das quais eu não me sabia capaz até a ter conhecido), neste caso não o fiz a pensar que ia deixar alguém comovido, nem nada que se pareça. Simplesmente apeteceu ;) Nem sequer avisei ninguém de que se calhar era capaz de ser boa ideia vir cá ler o blog :P

Eu estou perfeitamente por dentro da lei da oferta e da procura, no que diz respeito a andar atrás de alguém. Aprendi a conhecer as mulheres ao longo dos anos; conheço-vos é melhor a vocês do que a mim, o que explica que, muitas das vezes, eu ignore todas as "regras" e faça as coisas por instinto. Não há, no entanto, amor nenhum, em alguém que consegue, dia após dia, agir de forma completamente estudada.

Direi mesmo mais. Quebrem as regras sempre que possível, e deixem as atitudes mais pensadas para aqueles momentos chave em que nada pode falhar. É que às vezes colhem-se tantas coisas, mesmo que não sejam aquelas que se julgavam mais directas, que nos enchemos de força para continuar, e aí sim, colher tudo aquilo a que temos "direito". E se isso não acontecer, a outra pessoa não passa a deixar de merecer que lhe dêem tudo, nem nós somos uns falhados. Simplesmente não deu. Mas parar de lutar antes do apito final, não só é falta de coragem, como falta de amor. Quem é que determina quando o jogo acaba? Depende.

Se eu me pusesse a explicar todos os pormenores, coisa que não vou fazer (mais uma vez devido a um sem número de motivos; duas vezes esta expressão no mesmo post é obra), talvez percebessem porque é que continuo a correr atrás da cenoura. Às vezes a corda parte-se e os burros deixamos de ser nós. Mas fiquem descansados, não ando a seguir ninguém, não tenho a minha casa cheia de fotos dela nas paredes e não sou viciado na rejeição gratuita. Simplesmente gosto muito de uma pessoa e tenho razões genuínas e nobres para gostar (fogo, e também é incrivelmente querida e a rapariga mais bonita que já vi, não é só motivos cor de rosinha). E se um dia eu baixar os braços, continuarei sempre a ter um sorriso para esta menina, mesmo se o encanto acabar por se desvanecer por culpa do tempo e do cansaço.

5 comentários:

Joon disse...

Pedrocas, mais uma vez... Não é uma questão de deixar de lutar... É uma questão de mudar de estratégia!! Desistir?! Apenas quando não houver mais hipóteses! ;)

Beijocas

Anónimo disse...

Sou eu outra vez, a anónima número 2 do post anterior :). Eu sei que é difícil agir friamente quando gostamos de alguém, eu dei o conselho e também não consigo agir dessa forma.

Quanto ao facto de ler o teu blog, eu confesso, tou agarrada. Isto é tipo uma telenovela, vês os "episódios" todos e depois sentes que também tens direito de dar a tua opinião sobre como se deveria desenrolar a história.

mik@ disse...

já vi que não sou a unica a não querer desistir de alguem...
as lembranças dos óptimos momentos passados juntos nao se esquecem, e haverá sempre um sorriso para a pessoa que gostamos :)
... enfim o tempo tudo cura... ficam as doces recordações.

Miuda Stressada disse...

geralmente fazes-me rir às gargalhadas, mas agora ao ler este post e o "um dia destes" fiquei emocionada e com a lagrimazinha ao canto do olho. eu sei que sou mt lamechas, mas uma das coisas mais bonitas do mundo é ver um homem ser capaz de descrever assim o seu amor por uma mulher.

boa sorte Pedro, e que a tua história tenha um final feliz.

solo disse...

ai ai

temo fazer mais um comentário entre o sarcástico e o grosseiro e (continuar a) dar uma falsa ideia de mim - eu até sou do género romântico, tornei-me foi mais pragmático com a idade - acrescente-se ainda que tenho uma relação amorosa perfeitamente... feliz (chamemos-lhe assim);

tentarei portanto ser mais (aquilo que se convencionou denominar) humano, até porque desta vez encontrei nos teus comentadores algumas coisas acertadas, mesmo aquelas que vieram de (alegadas) mulheres:
1º desistir nunca, há que lutar por ideais, e não há melhor ideal que uma mulher bonita;
2º um bocadinho de realismo não faz mal a ninguém, ou seja, se és feio como um portão, pobre e tens a aparência de um fedelho que toma poucas vezes banho, e ela vai a castings de look-alikes da jessica biel, ESQUECE, as gajas bonitas, como toda a gente sabe, por muito nabas que sejam, tem uma tendência inata para escolher tipos que fiquem bem (muito bem) nas fotografias da Caras e afins, e que tenham dinheiro suficiente para virem nas primeiras páginas das ditas publicações;
3ª gajas não faltam, claro que boas-como-o-milho há poucas, mas boas-suficientemente-pra-te-levantar-a-moral há que cheguem para todos (o tempo é que é pouco), e com a crise de machos que anda por este bocadinho de terra, até os feios têm alguma facilidade em arranjar uma gaja comestível;
4º feios, mas não miseráveis, se há coisa que tira o tesão a qualquer miúda é a falta de dinheiro – pelo menos fonte de rendimento tens que ter, por isso ou mantém ou arranja mesmo mais coisas que fazer, daquelas que dão guito,
5º sê tu mesmo, e sobretudo, faz com que se riam, as miúdas gostam muito de se rir, e nós (eu) gostamos muito que elas se riam (até porque daí ao leito vai um passo muito pequeno)
6º finalmente sê cavalheiro – li uma vez que ser cavalheiro é fazer com que quem está á nossa volta se sinta bem – não há nada mais sedutor do que um cavalheiro.

:-)