quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Uma boa alimentação

Há cerca de duas semanas fui com o meu amigo J. à melhor pizzaria aqui da zona. Mas que pizzas fantásticas! Só pecam por não serem tão gordurosas como as da Pizza Hut e Telepizza (já se sabe que o sabor está todo naquele escorrerzinho de gosma pela fatia fora), mas ganham por terem um maior toque caseiro.

Gosto de pão. Gosto de queijinho. Gosto de tomate. Gosto de cogumelos. Gosto de azeitonas. Gosto de carne. Gosto assim de um ananá ou outro misturado. Logo, adoro pizza. Basta juntar uma pepse para empurrar o pãozinho e temos maravilha instalada na barriga. No fundo é apenas uma tosta mista glorificada e sumo. Que mal pode fazer?

Como ambos gostávamos de ser homens de família respeitáveis no futuro, pedimos duas pizzas familiares, uma para cada um, para não haver invejas. É como fazer um Plano Poupança Reforma antes dos 30. Uma pessoa ainda não chegou lá, mas já está a armazenar comida para um dia poder sustentar a prole.

Acontece uma coisa engraçada com a comida. Quando está muito boa, é impossível apreciá-la de forma perfeita. É que enquanto nos sabe tão bem que parece que estamos a ter uma conversa estimulante com a mulher da nossa vida (existe melhor forma de dois adultos aproveitarem o tempo sem ser recorrendo ao diálogo?), precisamos sempre de mais e mais. No entanto, esse "mais mais mais" nunca leva a um orgasmo alimentar. O resultado é sempre ficarmos tão cheios enjoados que não conseguimos olhar nem para mais um bocadinho de fiambre. Felizmente somos portugueses e há sempre espaço para a sobremesa.

Esta pizzaria de que vos falo foi remodelada recentemente, sendo agora substancialmente maior. Até aí tudo bem. Estamos mais à vontade, com bastante mais espaço, e talvez isso seja um catalizador psicológico para termos ainda mais vontade de dilatar o estômago. O serviço está agora muito mais rápido, devido a terem aumentado a quantidade de empregados, não só no restaurante propriamente dito, como na tarefa de entrega ao domicílio. É vê-los a sempre a entrar e sair, com a farda da pizzaria, uns atrás dos outros. Aliás, eu suspeito que há lá algures uma senhora escondida, deitada numa marquesa, a dar à luz rapazinhos de blusão e boné verdes, já montados em lambretas, em pleno parto, tendo em conta a alarvidade de empregados diferentes que por la vi.

É um dado adquirido que não se aprende nada com as histórias que conto. Quanto muito aprende-se o que se deve evitar, de forma a atingir o sucesso ou, no mínimo, uma correcta integração na sociedade. Considerando este facto, decidi ensinar-vos que o plural de "pizza", em italiano, é "pizze". Não digam agora que aqui não há suminho. Espero ter contribuído para a vossa felicidade.

7 comentários:

F. disse...

Epá não sei se se aprende alguma coisa ou não aqui com o teu post. Mas que a pizzaria de que falas é realmente a melhor da zona (e quem sabe de várias zonas) lá isso é. É pena é ainda n fazerem entregas em LX, nesse caso seria uma Rainha e uma Alcoa, tb familiares, que o pessoal do Oeste ainda que temporariamente a viver na capital alimenta-se bem ;-)

Pedro M. disse...

A...Rainha...é...a...minha...preferida.

Fui...descoberto.

Must...eat.

solo disse...

"É um dado adquirido que não se aprende nada com as histórias que conto."

É mentira

Embora faças grandes esforços para tornar os teus escritos os mais patetas possíveis, encontro sempre neles coisas para aprender,

É(-me) inútil resistir a vir aqui regularmente dar uma espreitadela. :-)

Neste post gostei especialmente quando dizes: "Quando está muito boa, é impossível apreciá-la de forma perfeita..."

Brilhante.

2 idiotas super hiper ri fixes disse...

Gostei da descrição da pizzaria, da pizza e da forma soberba como devoraste uma família completa! Onde vivo existem duas pizzarias, em que uma delas faz uma pizza só de fruta, chamada tropical, que já me dá fome só de imaginar os meus lábios, os meus dentes, e a minha língua, a saborear aquela maravilha. Hummm!!!

Obrigada pela aula de italiano. Agora já posso sair de casa com a máquina fotográfica, os calções e o chapéu de turista.

Bjs
Borboleta Azul

sahara disse...

Ó Pedro, vamoláver uma coisa:
isto é uma provocação? hum?
é que anda aqui uma pessoa com os músculos todos doridos, que não sabe o que são batatas fritas e pizzas há meses (mas parecem anos) e tu vens práqui com ai e tal e não sei quê, a pizza é boa, a pizza é irressistivel. Opá, tu tem pena de mim. Eu respondi ao teu comentário dos ginásios, mas tou mesmo a ver que não leste.
Tu és mau! ;)

insónia disse...

eu aprendi algo hoje com o teu pensamento em relação ao que acontece quando a comida é realmente boa. Foi um pensamento que revela grande capacidade e destreza mental

Jasmim disse...

Adoro pizzas...adoro! Já estou com água na boca! Já agora, não queres publicitar a pizzaria? É que eu não percebi... Rainha...Alcoa... (ando lenta como a minha net)