terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Afinal sempre valeu a pena aprender a ler na escola primária.

Recebi este Natal um livro chamado "Método de Engate". É o melhor livro sobre como nos afiambrarmos a uma gaja que eu já vi. Não é que eu precise de ler livros destes, mas acho sempre piada.

Repito, este é o melhor. Sem grandes rodeios, mas de forma bastante coerente e analítica (embora pelo título não pareça), parte em pequenos passos tudo aquilo que se deve fazer para a maior parte das situações, bem como mudar toda a nossa atitude perante as mulheres.

Embora o livro não diga que tenhamos de ser uns completos cabrõezinhos (embora em certas ocasiões ajude), ele mostra-nos como estar sobre o controlo da situação e sermos assertivos com as mulheres, levando-as a fazer aquilo que queremos sem necessidade de tiranias. Mesmo assim, obriga os homens a ter um grau de frieza e racionalidade que está para além do meu alcance, apesar da teoria eu a ter toda.

Eu, no fundo, sou uma gaja com pila. Gosto de mulheres (embora não seja mulherengo, se bem que devia), mas não sou capaz de as tratar como um bocado de queijo flamengo. Apetece-me queijo, e sei perfeitamente tudo o que tenho a fazer para o consumir. Não me preocupo se corto as fatias finas ou grossas demais, se desperdiço demasiado queijo ao tirar a casca, e se a atiro à balda para o caixote do lixo. Quero queijo, vou comer queijo e ninguém me pode impedir de chegar ao queijo. Mas lá está, sou uma lésbica magrinha, com peitorais definidos, biceps desenvolvidos e barba de 3 dias. Tenho emoções. Tenho sentimentos. Tenho inseguranças. Tenho bom coração (se bem que isto já não é característica intrínseca ao indivíduo do sexo feminino). Tenho pavor a joguinhos. Tenho uma dose industrial de sinceridade. Tenho um copo com um Cegripe à minha frente porque há que impedir que a febre se instale. Tenho fome como o caraças e apetece-me uma sandes de atum.

Homem que é homem joga, sabe que é o melhor que pode acontecer à mulher que tenta conquistar, e põe todos os outros factores de lado. Ela só poderá ser feliz e realizada ao seu lado. Por alguma razão as mulheres acabam sempre por comer primeiro os parvalhões e deixar os bonzinhos no congelador, para uma eventualidade.

Há muito poucos homens em Portugal. Infelizmente, os tonis que o são, são suficientes para dar conta de quase todas as mulheres de jeito que por cá nasceram.

12 comentários:

Bela Sonhadora disse...

hummm eu vou desvendar um segredo ehheheh :p não são propriamente dos cabrõezinhos que nós mulheres mais gostamos mas sim daqueles que aparentam ser seguros de si, senhores do seu proprio nariz cm se costuma dizer, e que aparentam conseguir levar essa mesma segurança para a relação a fim se fazer sentir a mulher segura... ora essas coisinhas normalmente cheios de pinta são exactamente os maiores cabroezitos que existem mas não passam de mais que uma mera ilusão, pois segurança que é segurança geralmente nem a têm... Mas só depois de cairmos na cançao do bandido ou melhor do cabroezito é que deixamos cair a fixa e cm somos umas parvas crédulas vamos caindo nesse jogo uma duas tres ou quantas vezes forem necessárias até o nosso coração estar em pedacinhos do tamanho de graos de areia e até chegarmos ao momento que nem nos bons rapazitos acreditamos :S

triste esta vida :S

Ps. este é um retracto exagerado, nao o leves demasiado à letra heheheh beijinho FELIZ 2008

O pensador disse...

A bela sonhadora tocou o p+onto principal.
Uma mulher precisa de se sentir segura e sobretudo protegida.
Qualquer homem (bonzinhos e cabrãozinhos incluidos)que tenha engenho e arte suficiente para conseguir transmitir à mulher esse sentimento de confiança,segurança e protecção,conseguirá sem muitas gotas de suor,conquistar o interesse da sua amada.

O pior é que também os "cabrãozinhos" são conhecedores desta táctica infalivel e adoptam na perfeição esse estilo para atingir mais facilmente os seus intentos.
Só que tratando-se de uma representação,mais cedo ou mais tarde a fachada acaba inevitavelmente por caír devido a um descuido ou morte do interesse.

E já que falei em interesse..

Na sua quantidade,é ele que distingue o "bonzinho" do "cabrãozinho".
Com ele somos os bonzinhos..
Sem ele passamos a ser os cabrãozinhos!
(o mesmo se aplica a elas..)
Desse modo é justo dizer-se que mediante o ganho e a perda de interesse,todos os "bonzinhos" podem rapidamente tornarem-se "cabrãozinhos" e vice-versa...

Por isso,qualquer "livro de engate" é sinónimo de inutilidade porque de nada nos serve "engatar" se mais tarde não soubermos manter-nos unidos...

Bela Sonhadora disse...

concordo em absoluto com o Pensador, se bem que há cabroezinhos puros e duros, mesmo tendo interesse preferem deixar vir ao de cima o seu lado cabraozito do que reconhecer que tambem tem um lado bonzinho :S

beijinhos*

Anónimo disse...

Também quero uma sande de atum

NI disse...

Bonito tema que fostes arranjar para final de ano, sim senhor.

Vamos lá ver:

Compreendo, e em certa medida concordo, com o que foi dito pela bela sonhadora, pelo Pensador e por ti Pedro. Mas, pergunto: não estarão a passar às mulheres um atestado de incompetência? Será que as mulheres caem com facilidade no canto do cisne? Será que em todas as relações os papéis de "homem" e "mulher", seguem sempre os mesmos parâmetros?

É verdade que na maioria das relações, a mulher gosta do homem que é seguro de si e que consegue transmitir essa segurança à mulher. Mas, também existem relaçoes onde a mulher, por opçao, escolhe o papel de "mãezinha". Outras existem onde a mulher assume o papel de "filha" e, finalmente, existem aquelas relações em que homem e mulher assumem um papel de igualdade, em que ambos são seguros e transmitem mútuamente essa segurança.

Neste último caso a mulher cedo se apercebe, conforme refere a bela sonhadora, quando se está perante um homem seguro ou inseguro.

Diferente da segurança, ou falta dela, é o alimento de qualquer relação: o interesse a que o Pensador se refere e que é da responsabilidade de ambos.

Pedro, uma mulher segura de si mesma gosta de um homem seguro mas esta segurança não se manifesta tratando a mulher como um "queijo flamengo". É que a segurança que o ser humano manifesta é o resultado da consciência que tem das suas virtudes e defeitos e de como gere estas duas realidades e para isso é necessário ter emoções e saber expressar essas mesmas emoções.

Da minha parte deixei os parvalhões no congelador, mas por uma questão de segurança. É que os bonzinhos podem desaparecer.

Pedro M. disse...

Eu li o livro e li os autores para os quais o livro remetia. Eu não sou um atrasado mental. Sou suficientemente culto para conseguir distinguir material com premissas poderosas, do típico livrito humorístico que nos ensina coisitas de bom senso, tais como sermos confiantes e educadinhos.

Nós somos muito mais simples do que aquilo que tentamos aparentar e a psicologia humana é uma coisa "maravilhosa". Nenhum de nós controla o seu subconsciente e, no entanto, ele está sempre à espera de ser sugestionado.

Não está aqui em causa discutirmos relações e sermos todos bonzinhos uns para os outros e muito amorzinho e tal. Aliás, eu nunca trago assuntos para a mesa. Digo muitas parvoíces; não as digo é ao calhas.

Eu nunca vou agir como este tipo de material sugere, porque sou banana demais, transparente demais, e querido demais para por estas coisas em prática. Mas isso não significa que não leia as coisas e não investigue como surgiram, para poder formar uma opinião. E não se discute com uma pessoa que teve esse trabalho, especialmente quando não se está na posse dos mesmos dados.

Mas eu gosto demasiado de vocês para ter a paciência de explicar tudinho, acabando por vos dar uma grande seca e sem chegar a lado nenhum. Cada um que tire as suas próprias conclusões ;)

RF ;) disse...

Temos é de ter hombridade e sermos nós próprios, ao gostar da mulher que dariamos a própria vida para a proteger, isso sim é ser homem e também ter compaixão

Lisa's maus feitio! disse...

Pois eu concordo ali com a Bela sonhadora.

Oh se concordo.

Pedro, leio o teu blog há imenso tempo. Já me perdi de risos deste lado, que nem te passa! :)

Um Ano Novo feliz, moço!

Juízo!

Lisa

Pedro M. disse...

Fico muito contente quando me dizem que lêem o meu blog há muito tempo (e se gostarem também ajuda) ;)

Maria disse...

Pedro tenho de concordar com a Lisa, tens muita piada, tens tens.... e também concordo contigo em relação aos jogos que se "praticam" no acto de sedução, mas dizeres que só os homens é que o fazem parece-me inexacto. Pessoalmente também me passo com eles, mas as mulheres também são mestras nesses joguinhos.Na minha opinião o que falta é sinceridade e respeito :) de, e entre, ambos os sexos.
Beijinhos e continua a fazer-me sorrir

insónia disse...

gostava tanto de ler isso.
Acho que o facto de se definirem assim estratégias quer dizer q acham que as mulheres são previsíveis o q deita por agua abaixo o dizerem que são complicadas.

Segredo Cor de Rosa disse...

Gostei deste Post.
Infelizmente só tenho uma opinião.
O mundo anda todo às avessas.
E as boas mulheres que ainda há (eu considero-me uma delas) e defino-me apenas por Simples e Honesta, muitas vezes acabam por se apaixonar pelos tipos errados e pronto. Sofremos...

Enfim, espero que um dia os bons se encontrem e sejam muito felizes.

Segredo Cor de Rosa