quarta-feira, 16 de abril de 2008

Coisas de que me arrependo

Fiz muitas coisas na vida de que me arrependo, muitas delas na escola primária. Por um lado, a única coisa que me consola é o facto das crianças acabarem por fazer sempre muitos disparates, normalmente sem terem a consciência da marca que lhes vai deixar no futuro.

Havia uma colega da minha turma chamada M. Ela era muito feia e vestia-se muito mal. Já devia estar tão habituada a ser gozada pelos outros meninos que acabava por ser extremamente antipática e desagradável para eles. Acho que não tinha amigos. Sentava-se sempre sozinha na última carteira, e nunca ninguém virava a cara para trás para olhar para ela.

Sempre que a M. se aproximava de nós, todos começavam a fazer "tsssss tssssss" como se estivessem a utilizar um spray imaginário de Quitoso, contra os piolhos e lêndeas. Nunca cheguei a saber se ela tinha mesmo piolhos. Seja como for, naquela altura, para nós tinha, e muitos.

Eu também fazia "tsss tsss" como os meus colegas, porque não queria ficar de fora do grupo. Nem sequer me atrevia a aproximar dela, senão toda a gente ia dizer que eu também tinha piolhos e, pelo menos durante dois dias seguidos, ninguém ia querer brincar comigo, sem contar com o A. e o JG.

Um dia aconteceu aquilo que ninguém desejaria ao seu pior inimigo. Eu estava a falar demasiado com o colega do lado e a professora percebeu, não tendo achado lá muita piada. A forma de me castigar que ela arranjou foi mandar-me ir lá para trás, para a carteira da M., até ao final da manhã. Fiquei apavorado.

Levantei-me e dirigi-me lá para o fundo da sala, caminhando muito devagarinho. Os meus colegas ficaram caladíssimos. Via-se que iam gozar comigo, mas bastou um centésimo de segundo para se aperceberem da gravidade do castigo e do impacto que teria se lhes fosse aplicado. Cheguei à minha nova carteira e mal olhei para a M. Ela era a única da sala que tinha um olhar triunfante, como se fosse mais importante eu estar a ser severamente castigado, mesmo sendo ela o castigo.

Eu tive tanta vergonha que nem me sentei bem na carteira. O que eu fiz foi pôr uma perna dentro da carteira e outra de fora, para ficar o mais longe possível da M. Nessa ânsia de ficar longe, rasguei a perna esquerda das calças num suporte de metal que a mesa tinha.

Hoje em dia recordo essa história e sinto-me um bocado triste. É que eu gostava mesmo daquelas calças. Ainda por cima eram de bombazine. Bombazine era dos materiais mais radicais que a minha mãe me deixava usar. De resto, como não podia usar ganga, só me restava o tecido de fazenda. Tive de passar a usar fazenda.

4 comentários:

Anónimo disse...

É verdade que a situação do "tssss sss" parece um pouco cruel. E é!!! Toda a gente sabe q as crianças são cruéis, mas tb toda a gente sabe que as crianças são muito sinceras e verdadeiras. O que justifica perfeitamente as nossas acções!!!

P.S.: Ela era mesmo piolhosa!!! Tssss sssss!!!

Sara M. disse...

coitada. eu acho horrível essas coisas. se me tivessem feito isso, não sei como teria lidado e que consequências poderia ter tido na minha vida.
acho demasiado cruel algumas atitudes inconscientes das crianças.

o que mais me impressionou no post foi o fim: "Hoje em dia recordo essa história e sinto-me um bocado triste. É que eu gostava mesmo daquelas calças." Pensava que ia acabar com algo do género: não consigo imaginar-me na pele dela, arrependo-me de ter agido como os outros.

Anónimo disse...

crianças são crianças, são claras e simplesmente dizem o que pensam...

a diferença entre uma criança e um adulto é que a criança o faz de uma forma simples, sem ter de recorrer a esquemas, hipocrisias e sorrisos amarelos...

a unica maneira de um adulto fugir dos comportamentos e discurso socialmente aceite é o humor...

e é tão bom quando o sabemos identificar com clareza...

e nos conseguimos rir do que n podemos mudar...

Vá lá vamos dar férias os superego e rir, pk o post ate tem piada... :)

afinal, quem na primária n gozou nem um bocadinho com o Bobo lá do sítio?

S. disse...

Serás tu o M.?...