terça-feira, 16 de setembro de 2008

Dia 3

No meio de um laboratório bastante grande e com algum aparato, está esta plaquinha afixada na parede de forma muito sossegadinha. Era como se quem a pôs lá, ainda antes de eu ir trabalhar para ali, tivesse previsto que eu ia. Leio-a várias vezes ao dia. Tenho-lhe carinho. Talvez a roube quando souber que tenho de me ir embora. Pronto, não convém ser no último dia, senão apanha-se facilmente o culpado.

Isto de passar do 8 para o 80 é tramado. Digamos que, para conseguir acordar, tenho de dizer todas as asneiras que conheço. A manhã até se passa muito bem, mas depois do almoço a minha cabeça já não consegue funcionar lá muito bem. A certa altura, numa sala menos iluminada, julguei ver um saco bem grande de amendoins e exclamei:

- Ena, amendoins!

Era só um sacalhão de rolhas que se foram acumulando das garrafas para amostra.


PS: Já sei que vão ficar cheios de pena, mas infelizmente não tenho histórias para vos contar sobre labregos. As pessoas com quem me tenho cruzado têm sido simpáticas, civilizadas e educadas, mesmo nos mais "baixos" cargos. Será do grau?

2 comentários:

João Marques disse...

Toma um copinho de vinho a seguir ao almoço, que a tarde melhora!

zé disse...

lindo...
oxalá consigas roubar a plaquinha, mas guarda-a bem, que já há mais interessados.
e vê la se desencatas algum labrego, pode ser em qualquer cargo...é claro que ser fôr mais acima pode criar-te problemas...aí toda a gente vai saber quem é.