sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Já sou um adulto / Matei um perú.

Antes que pensem que sou a pessoa mais horrível do mundo (apesar da crueldade, na minha terra, não excluir sensualidade), por achar que sou um adulto só porque matei um perú, desenganem-se. Os factos não estão relacionados. Aliás, provavelmente nem era um perú e nem o matei. Porra.

Quando era piqueno, nalgumas aulas, achava sempre muito engraçado quando os adultos (lá está, são adultos), evitavam aquelas palavras com mais piri-piri, só para parecerem, lá está, mais adultos (pensava eu). Isto aconteceu, portanto, até aos meus 25 anos.

Como este mês a formação que estou a dar é sobre Higiene e Segurança Alimentar, mais tarde ou mais cedo teria de falar em microrganismos que usam a merda como os betos usam as discotecas. Na primeira vez que tive de dizer a palavra, fiquei assim um bocado "então mas agora como é que vou dizer merda?". Ainda pensei em dizer "fezes", mas é daquelas palavras com que um gajo se caga todo a rir, independentemente da circunstância em que seja usada. Quando eu tiver filhos e o médico me disser "o problema do seu filho não é só ter as fezes muito líquidas; esta gastroenterite vai deixá-lo de cama uns três meses", provavelmente vou-me escangalhar a rir antes de conseguir raciocinar convenientemente. Seja como for, a palavra que me saiu, em alternativa, foi "dejectos".

Dejectos. Boa. Um gajo estuda, é inteligente, é sensual (característica que é impossível realçar demasiado), tira um curso, e não se consegue de lembrar mais nada sem ser dejectos. A seguir saiu-me "matéria fecal". Tá melhor. Tá melhor, mas mesmo assim não conheço muitas gajas que se sintam atraídas pelo tipo de gajo que diz dejectos e matéria fecal todos os dias (e várias vezes ao dia, enquanto foi preciso), excepto ao fim de semana. Aliás, não conheço nenhuma, e ainda bem (ainda bem ou ainda mal?).

Percebo agora, portanto, que sou um adulto. Estou a fugir cada vez mais às palavras. O fim de semana não chega para dizer a quantidade suficiente de foda-ses, merdas, caralho puta da velha que nunca mais anda com o charuto no raio da rotundas, cus e mamas de que preciso para andar mais solto e me sentir um membro normal da nossa sociedade. Pareço uma pessoa cheia de profissionalismo durante o dia e outra coisa qualquer à noite. Sou, no fundo, como um super-herói, um Super Homem da formação profissional. Sério de dia, eléctrico de noite. É normal. Tanta seriedade leva a que uma pessoa venha cheia de energia pela autoestrada fora após acabar de se auto-reprimir, depois de um dia de formação, sobrando apenas uma incomensurável vontade de soltar a franga.

Isto faz-nos voltar, portanto, ao perú. Tudo bem, talvez não fosse um perú. Agora, que era grande, tinha asas, e vinha a voar de forma meio bêbeda, lá isso vinha. Senão, não lhe tinha acertado.

Eu vinha todo emocionado a cantarolar. A certa altura comecei a gozar comigo próprio, esticando para a frente o pescoço e puxando-o de novo para trás, ao ritmo da música. De repente só oiço pum (e até nem tinha comido nada de especial) e vejo um par de asas a esbracejar pelo capot fora. Felizmente não lhe acertei bem bem de frente, senão tinha deixado mossa. Eu bem que fiquei naquela dúvida "matei um ser vivo a sério, sem ser desta insectalhada que se apanha dos 140 para cima, ou o bicharoco ainda vai sentir ar por aquelas guelras fora por mais uns tempos?". Não sei. Foi tudo muito rápido. Tão rápido como o meu retomar do cantarolanço pela noite fora.

E agora, se me dão licença, tou aflitinho para ir pegar na pila e a levar a urinar. Pila não, pénis.

6 comentários:

Maria Eva disse...

Estou farta de rir à pala deste post! Gostei muito :D

nat disse...

:D
Só tu para me fazeres rir dum post em que uma ave inocente foi atropelada. Pobre perú.
Eu digo fazer chichi. E digo cocó. Sempre.
Ainda não sou adulta aos 26 anos. Ou mai gode.

Bela Sonhadora disse...

ahahahhahahahha so tu :p és mesmo um triste matar um peru e nem parar pa fazer um belo de um assado, ao menos davas proveito aos restos mortais do pobre coitado :p

João Marques disse...

Um adulto reprime as suas palavras, mas não os seus pensamentos. De certeza que pensaste: foda-se o cabrão do caralho do peru que encheu de merda a estrada e ainda por cima me cagou a puta do carro!

Caetana disse...

Coitadito do animal... lol... quanto ao resto, fica-te pela palavra "dejectos". "Matéria fecal" parece-me demasiado rebuscado e muito pouco sensual!! :P

banana disse...

se voava não era um perú...
cá para mim que ia bêbado não era o bicho.