sábado, 1 de novembro de 2008

Desafios alimentares

Naquele que acabou por ser o meu último dia de contacto promíscuo com os raios ultravioleta, fui à praia com a minha amiga A. Como uma mulher prevenida vale por um homem desprevenido, levou sumos e bolachas Maria para os dois.

- Aposto que não és capaz de comer dez bolachas Maria seguidas num minuto sem beber sumo! NINGUÉM é capaz, a menos que faça algum tipo de batota! Isto era uma coisa que se fazia dantes na tropa aos soldados.

- É claro que sou! Só dez num minuto? Pffffff! Só não o faço aqui porque tenho vergonha de fazer figuras tristes, e há por aí muita gaja de bikini de olho em mim, com toda a certeza.

Nunca dou parte fraca quando me fazem um desafio. Acabo, no entanto, por nunca os fazer, seja por serem desafios imensamente estúpidos, ou por o desafiante não estar disposto a remunerar convenientemente o urso que se sujeita a estas demonstrações de excelência na imbecilidade.

Nem sequer tinha pensado muito bem no assunto. De facto, se sou capaz de comer dez Marias num minuto, porque é que não haverei de ser capaz de comer dez bolachas, que têm bastante menos xixa?

Mais tarde, às duas da manhã, como se não tivesse já coisas bem mais importantes para fazer, entrando em jogo o meu talento para estabelecer prioridades, a que é que me dediquei? Bolacha Maria.

Metodicamente, coloquei em cima da bancada de inox da cozinha dez bolachas Maria empilhadas em grupos, dois grupos de três e dois de duas (eu até punha de quatro, mas a minha boca não permite), o telemóvel com a opção de cronómetro seleccionada (eu sabia que ainda havia de dar jeito), um guardanapo (em caso de necessidade de higiene pessoal básica) e um copázio de água (não para fazer batota, mas para uma eventual aflicção, que isto ainda são coisas arriscadas).

...

Realmente é praticamente impossível. Já tinha passado um minuto e eu nem quatro completas tinha conseguido comer. Para já, colocar um grupo de três bolachas Maria de uma vez na boca é estar a implorar por aftas, porque ao mastigar as primeiras vezes, formam-se dezenas de bocadinhos aguçados de bolacha que picam que se fartam. Por outro lado, não podendo beber água, ficamos com a boca cheia de uma pasta tão seca que não só custa a engolir como a descolar os dentes uns dos outros. Sendo assim, porque é que eu continuei a comer as bolachas para lá do primeiro minuto???!

Não é masoquismo; sou apenas um apaixonado por análise quantitativa e estatística. Já que tinha dez bolachas ali à frente, ao menos que servisse para ver quanto tempo demorava. Esta teimosia acabou por durar dois minutos e meio, revelando-se do mais puro sofrimento. Parece que ainda agora consigo sentir aquela sensação nojenta de ter a boca cheia de argamassa.

Fiquei mais feliz? Não. Consegui ultrapassar o desafio? Não. Alimentei-me bem? Não. Alcancei um patamar mais elevado na busca da essência do meu ser? Totalmente! Confirma-se a minha idiotice. Idiotice parcial; até aos dias de hoje, em termos de bolachas, deixei de lado a Maria, tendo optado apenas por comer waffers de chocolate*.


* e essas sim, consigo comer dez num minuto sem beber água.

6 comentários:

Anónimo disse...

Qto mais "te leio", mais apaioxada fico, tenho aqui um ótimo desafio pra ti: "qtos bjos consegue me dar em 10 min.?"
(nota: coloquei 10 min. apenas, pq apos isso certamente já estaria a me dar "outras coisas", veja lá o q estás a pensar!!!) ;)

Bjocas

Sua eterna apaixonada.

Sofia disse...

ahahaha!

Pedro M. disse...

Se não estivesses a gozar comigo, e principalmente se fizesses o meu género (gira, bom gosto, educação superior, com perspectivas de futuro, não dar erros de português nem inglês e ser pouco chata, embora esta última qualidade seja complicada numa mulher), em 10 minutos já te tinha ensinado a tabuada dos 9 com a língua.

Maria Eva disse...

Tenho uma dúvida! O desafio passava por comer 10 bolachas, certo? Então porque tinhas 3 grupos de 3 e 2 grupos de 2? É que isso dá 13 bolachas!!

Pedro disse...

E depois a Eva é que foi feita a partir da costela do Adão... Tens razão, vou corrigir ;) Estava a pensar cegamente em bolachas, e não em grupos; o três de um influenciou-me o três do outro.

Vítor disse...

Muito bom... a experimentar!!!
Qq resultado positivo é favor de se expressar!!!