sexta-feira, 30 de maio de 2008

Sou um cidadão do mundo...

... sendo que o meu mundo nunca se esticou para além do circuito Elvas - Badajoz - Sevilha. Neste momento, parece-me mais plausível que inúmeras catástrofes naturais destruam tudo o que está à volta desse circuito, acabando com o meu desejo de viajar, do que ter dinheiro suficiente para poder conhecer pessoalmente um bocadinho daquilo que queria visitar (já nem digo tudo).

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Quando se começa a ouvir demasiado...

... a frase "pelo menos tens talento, amigos e saúde", dá vontade de mostrar o quão doloroso pode ser o contacto entre a cara (outra que não a nossa) e uma alfaia agrícola. Se talento nunca tiveram, e saúde deixaram de ter, "pelo menos amigos ainda terão" (outros que não eu).

terça-feira, 27 de maio de 2008

Não percebo...

... a razão pela qual as bicicletas de senhora têm aqueles quadros com o tubo central rebaixado. Seremos (homens e mulheres) tão diferentes ao ponto de precisarmos até de ter bicicletas distintas? Não bastam os urinóis? Será que ainda se vai chegar ao ponto de haver carros para homens e para mulheres no futuro?

Ainda por cima, no caso de ser necessária uma diferença desse género, não deveríamos ser nós a ter o tubo do quadro rebaixado? Assim, em caso de descuido num solavanco maior, sempre demorava mais a haver possibilidade de contacto entre a barra e os tomates. Aconteceu-me quando era míudo, e foi bem doloroso. Nesse dia, não teria tido preconceitos em estar montado numa bicicleta de menina, nem mesmo se fosse cor de rosa, e estivesse equipada com cestinho e campaínha...

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Já repararam...

... que nunca se ouve (eu pelo menos nunca ouvi) ninguém dizer "há sempre uma última vez para tudo", mas apenas o célebre contrário?

Vou passar a usar a esta expressão de forma enjoativa.

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Logo eu que nem costumo falar alto e ser javardo.

No fim de semana passado fui a casa de um dos meus melhores amigos, para lhe fazer uma visita. Uns dias antes, tínhamos comido a melhor fatia de cheesecake das nossas vidas, e isso é um marco que deve ser celebrado.

A casa estava no mais profundo silêncio, tendo eu ficado logo com a certeza de que poderíamos estar à vontade e exibir a nossa condição de homens, que consiste em, de 30 em 30 segundos, mandar umas piadas para o ar sobre mamas e rabos.

Como tinha referido no início, aquele cheesecake de um certo sítio que não vou dizer o nome (se lá vou, não é para dar de caras com o prato que quero vazio, e ser obrigado a comer bolo de bolacha), rapidamente se afirmou como tópico principal da conversa. Quando falo de coisas que adoro, sou incapaz de controlar o meu entusiasmo exagerado, e emiti uma opinião que supostamente é tabú na sociedade ocidental, mas que tinha de ser dita.

- Já mandei fodas bem piores do que aquela fatia de cheesecake!

- Não fales tão alto que tá aí a minha mãe!

Ora, numa casa em que sou recebido com uma certa dose de arrotos e caralhadas (mas com classe), e perante o silêncio, pensei que pudesse estar à vontade. Pelos vistos não. Agora a mãe dele, das duas uma:

1) Fica a achar que a minha vida sexual tem sido, até aqui e, se calhar, por minha culpa, deprimente. Isto ainda se espalha pela cidade, inibindo na população feminina solteira (ou mal casada) a vontade de me vir dar uns miminhos.

2) O segredo daquele cheesecake está prestes a ser desvendado pelo resto das pessoas. Se assim for, toda e qualquer escumalhinha fará fila para o comer, e quem fica com o coração nas mãos sou eu, porque sem docinhos bonzinhos a minha vida fica mais pobre.

Espero, portanto, que se verifique a primeira hipótese.

domingo, 18 de maio de 2008

Fico irritado...

...com aquele tipo de pessoas que pega pela primeira vez num álbum de música, ouvem só primeiros 10 segundos da primeira faixa, passam à próxima, e assim sucessivamente, para emitirem apenas um "tá fixe" ou um "na gosto". Será possível que uma pessoa que leia apenas primeira página de um livro tenha credibilidade para esboçar sequer a mais ténue tentativa de opinião?

Puxa todo um lado mais violento e primitivo que tenho cá dentro, bem reprimido, e o único consolo possível para além do castigo físico seria ver aquela pessoa a pedir misericórdia aos pés de quem teve o trabalho de gravar o disco. Ou aos meus.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Já paravam...

...de chamar "Maestro" ao Rui Costa. Eu percebo mais de futebol do que ele de música, e ninguém me trata por "Mister".

Vê-se que estamos a precisar de ir para a caminha...

... quando pegamos no tubo da pasta de dentes, apertamos de forma pouco poupada contra as palmas da mãos e as esfregamos vigorosamente com pasta, como se de sabonete líquido se tratasse (até ficaram limpinhas e macias).

Resta-me agora lavar os dentes com escovilhão da louça e Sonasol, vestir o fato-macaco, fazer xixi para o bidé, e estou pronto para dormir.

Boa noite :)

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Um ano depois de começar...

Faz hoje um ano que parte de mim começou a sair cá para fora, independentemente de ter sido a parte mais palerma.

Desde cedo, senti que tinha a obrigação de partilhar tudo aquilo que tenho de bom com as pessoas que me rodeiam. Em vez disso comecei um blog. Em parte foi por despeito, por achar que era capaz de fazer muito melhor do que todos os outros blogs que me tinham mostrado (ainda está por provar). Por outro lado, tinha acabado de ir a um casamento, sendo que a história que trouxe de lá para contar era, na minha opinião (provavelmente só na minha), digna de figurar no livro de leitura da 4ª classe (ai agora diz-se 4º ano; estamos muito finos mas mais burrinhos). Desta forma, como se pode inferir, o despeito acaba por não se revelar como uma razão assim tão má como se pensa, quando se acaba por demonstrar iniciativa própria.

Foram 12 meses carregados de posts, uns mais interessantes, outros mais interessantes ainda do que os apenas interessantes, em que um vastíssimo leque de assuntos foi abordado. Assim de repente, só me lembro de ter falado em comida, embora tenha a certeza de que, carregadinho de intelectualidade como sou, deva ter falado de outras coisas numa ou noutra ocasião.

Podia ter escrito 200 posts num ano se me tivesse esforçado o suficiente, o que daria azo a que começássemos todos a chorar com a coincidência de números redondinhos. Infelizmente, foram só 199. Mesmo assim já dá uma média de 0.5452054795 posts por dia.

Acho que estou de parabéns. Não há assim tantas coisas na vida de que me possa orgulhar de ter mantido durante tanto tempo, tirando os estudos, uma das minhas namoradas, a minha higiene pessoal, e a minha paixão por omelete com salsichas e batatas fritas. Por ordem de relevância:

1º Omelete com salsichas e batatas fritas
2º Blog
3º Higiene Pessoal
4º Estudos/Namorada

Obrigado a todos os que lêem religiosamente este blog. Se vocês tivessem coisas de jeito para fazer nas vossas vidas, já não vinham cá parar, e eu não teria motivo para continuar a escrever. É que se ser-se idiota já é triste, sê-lo apenas para as paredes é ainda mais deprimente. Mais uma vez, muito obrigado.

Vêmo-nos por mais um ano?

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Paradoxos

Ou Deus não existe, ou então não pode ser omnisciente. A prova é o facto de, tendo em conta a frequência com que a minha mãe diz "valha-me Deus", ele ainda não se ter fartado e não a ter mandado calar.

domingo, 11 de maio de 2008

Já é de novo domingo? II

Alter Bridge - Ties That Bind

Fiquem descansados, a semana musical acaba hoje, da mesma forma como começou, com o Myles a cantar (mas agora já acompanhado dos seus amiguitos). Já adivinhava que a participação não fosse tão grande como quando eu digo as minhas patacoadas habituais de bradar aos céus mas, mesmo assim, espero que tenham gostado. Tentei que, apesar de fazerem parte apenas de uma franjinha pequenina dos meus gostos, as músicas reflectissem o estado de espírito em cada dia, mas sempre sem perigo de afastar o ouvinte comum.

Consegui?

sábado, 10 de maio de 2008

Sábado II

Blackfield - Blackfield (Quem não gostar desta é um ovo podre)

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Sexta II

Lúcia Moniz - Chuva

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Quinta II

Opeth - In My Time Of Need

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Quarta II

Freak Kitchen - Nobody's Laughing (o Mattias é genial; quem não gostar, que ponha na borda do pratinho; amanhã já volto à melosice... talvez.)

terça-feira, 6 de maio de 2008

Terça II

Blister - Good Things And Bad Things

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Segunda II

Dramagods (Nuno Bettencourt) - Megaton (ainda estive para pôr aqui a Something About You, para ser mais digerível para as meninas, mas se quiserem procurem no youtube :P )

domingo, 4 de maio de 2008

Domingo II

Myles Kennedy - Hallelujah

sexta-feira, 2 de maio de 2008

De novo a Rita Mendes

Em Janeiro ou Fevereiro, enquanto aguardava numa sala de espera de um hospital, peguei na revista VIP, ou na Caras, ou numa paneleirada qualquer dessas (já não estava ninguém a ver).

A minha querida Rita Mendes tinha lá uma entrevista. A grande reportagem devia-se ao facto dela ter decidido colocar 250 extensões. Realmente se há pretexto para um entrevista, esse é um deles.

O que eu gostei mais foi da parte em que a coitadita se queixava de que ao princípio tinha sido muito complicado adaptar-se ao novo cabelo, visto que "não tinha posição para dormir". Felizmente, "valeu-lhe o apoio da família e do namorado".

Eu percebo. O cabelo dela estava naquela fase em que nem está comprido, nem curto. Face a um problema desses, uma pessoa tem mesmo de tomar uma atitude. Só é pena que essa atitude se tenha traduzido num formato de cabeça apenas comparável a um abajour xl.

A sério, Rita, há 11 anos atrás eu adorava-te, mas cada vez me surpreendes mais :-/