quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Mão na bola ou bola na mão?

A lei do futebol indica claramente que, para haver atribuição de penalty ao haver contacto da bola com a mão/braço na área, o jogador que nela toca tem de mostrar intencionalidade, ainda que nem sempre este princípio seja aplicado. Muitas das vezes, mesmo que o jogador não aja no intuito de prejudicar o adversário, considera-se justo proceder à marcação de penalty, bastando para tal verificar-se um desvio desfavorável da trajectória do esférico (e às vezes nem mesmo com consequências tão pronunciadas), indo claramente contra aquilo que as regras ditam.

E agora pergunto-vos:

É possível uma gaja ser uma sonsa de merda sem querer (se bem que inconscientemente as pulsões estão sempre lá), ou apenas ganho o direito de lhe chamar de monte de bosta fumegante no caso da rameira em questão proceder de forma consciente?

Seja qual for a resposta, metade do peso da minha pergunta é retórico. Ela é bovina e ponto final. Quem não concordar, que encare isto pelo prisma da subjectividade inerente à arbitragem. Seja como for, a merda está feita e os adeptos estão descontentes.

4 comentários:

Periquito disse...

Lol, gostei da comparação, mas isso do sem querer tem muito que se lhe diga... por isso é que os árbitros apitam, é sem querer, mas também não fazem nada por evitar...

A nossa vantagem é que podemos dar cartões vermelhos quando nos apetecer

Eu Mesma! disse...

bem...
so posso assumir que o sporting perdeu ou parecido....

Miss Complicações disse...

Epá... fiquei meio confusa.
Se te serve de consolo digo-te que as mulheres não todas umas cabras narcisistas, assim como os homens são todos filhos da mãe.

Sandra disse...

Ui ui...tás "ressabiado"...e não é só do jogo...