quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Eu sempre gostei de Muesli...

... mas será que sou a única pessoa que acha que aquilo precisava de muito mais passas para ser perfeito?

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Normalmente...

... costumo dar formação de camisa ou de polo, mas hoje estava com aquele humorzinho do género "que se foda a sociedade" e vesti a primeira coisa que estava à mão. Calhou ser a t-shirt do Cão Azul que tinha usado no domingo à tarde. Embora a tivesse vestida por baixo do blusão, não era preciso muito esforço para se conseguir ler:

PAREM COM O
TERRORISMO
ACABARAM-SE
AS VIRGENS

Ninguém esboçou qualquer tipo de comentário. Parece que ir vestido de camisa putéfia a cheirar a perfume ou todo desmazelado é igual. Agora já sei que não preciso de me esforçar.

sábado, 24 de janeiro de 2009

As oportunidades não são iguais para todos...

... mas para uns são menos iguais do que para outros. Lembro-me de ir na rua, de noite com a minha namorada (neste momento sou desempregado de amor, por isso não se acanhem nos mails com fotos vossas em bikini). Não sei que mês era, mas era Inverno, estava frio e já há muito que não se via ninguém na rua. Íamos ao clube de vídeo escolher um filme, já que não estava ninguém em casa em minha casa e ja o podíamos ver mais à vontade.

A meio do caminho, passámos por um caixote do lixo. Ao longe já se conseguia ver algum movimento. Como não tinhamos a certeza do que era, e podia sempre ser qualquer meliante, pus a minha cara de "em mim ninguém me bate, eu é que bato em vocês". Não demorou muito a ficar desarmada. Era um adulto com um menino, ambos num estado a roçar o miserável. Estavam ambos a revirar o lixo, à procura de alguma coisa para comer, certamente.

O meu cérebro bloqueou e não consegui esboçar qualquer tipo de reacção. Ela também não. Só vários metros mais à frente é que acho que percebi bem a injustiça naquilo que tinha acabado de ver, e não consegui evitar algumas lágrimas. Fez-me muita impressão. Falar, não conseguia. Tinha a garganta apertada. Ela apercebeu-se, disse "tão fofinho" e fez-me um carinho. É por isso que nós, se não formos todos os dias um bocado egoístas, não conseguimos ser felizes. Todos sabemos que estes problemas (e muitos outros) existem mais perto do que pensamos, mas escolhemos alhear-nos deles.

O filme que eu escolhi era uma merda e não nos prendeu a atenção. A casa continuava vazia. Tudo a correr bem, portanto, e já refeito do choque de há umas horas atrás. E, no entanto, apesar daquela demonstração toda de sensibilidade, não a consegui levar para a cama naquela noite. Fónix.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Desafio número 3

Assim de cabeça, é capaz de ser o terceiro desafio a que respondo. Foi feito pela Eu mesma!, do blog Pequenas Decisões (para quem não sabe). Não vou convidar ninguém a responder porque me sinto sempre intruso (e dá trabalho).

As regras são as seguintes:

  1. Escrever uma lista com 8 coisas que sonho fazer ou que quero que aconteçam este ano.
  2. Convidar 8 bloguistas a responder ao mesmo.
  3. Comentar no blog de quem partiu o desafio.
  4. Comentar no blog de quem desafiamos.
  5. Mencionar as regras.


Aqui vão então as minhas respostas, sem qualquer ordem de importância:

  • Trocar a engenharia pela única coisa que me faz feliz (sem ser comer Mcmenus Big Tasty, foder, e jogar Playstation 3)
  • Ter sempre jogos novos e bons de Playstation para jogar (senão é como foder a mulher da nossa vida todos os dias no mesmo sítio e posição; eventualmente acaba por fartar)
  • Ter uma relação séria e duradoura com a Scarlett Johansson
  • Acabar aquele que poderá ser o melhor disco português de 2009 (o que, diga-se de passagem, não é das coisas mais difíceis de se fazer, mesmo para quem é mudo e só tem três dedos em cada mão) e começar logo outro a seguir
  • Comer alarvemente a Sofia Arruda do antigo Super Pai, desde que nessa altura não seja ainda possível trair a 'nha Scarlete (peço desculpa se estiver a ser mal educado)
  • Trabalhar com as pessoas que admiro (Sofia, esta até pode ser igualmente para ti, não estamos cá só para a galhofa)
  • Conseguir que me dêem valor
  • Ganhar quantias confortáveis de dinheiro
Algumas dessas coisas poderão ser complicadas, mas eu li n'O Segredo que o truque está em afastar os pensamentos negativos e fazer muita força para me concentrar nas coisas que quero, como se já fossem realidade. Até agora não deu resultado, mas há que acreditar. Se calhar não estou a fazer força suficiente.

...

Porra, caguei-me.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Fico sempre com aquela sensação...

... de que há mais portugueses fodidos pelo facto do Cristiano Ronaldo ter ganho o prémio de Melhor Jogador do Mundo (aliás, não só o da Fifa como todos os outros) do que argentinos por o Messi ter ficado em segundo. E a população portuguesa até é mais pequena do que a argentina.

O português médio, apesar de ter garganta de entendido, ou não percebe um caralho de futebol ou sofre da puta da inveja sempre que alguém mais próximo se destaca a níveis fora da média. Às vezes são as duas coisas. Ide mas é mamar pilas.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Um dia destes fui à pesca...

... mas a cadela não apareceu. Ainda pensei em ligar para a Direcção Geral de Saúde, mas a salada já tinha levado umas gotinhas de lixívia, e por isso já não era preciso ir à revisão dos 160mil. Assim, quando soube que tinha entrado para a equipa principal do Vitória de Guimarães, decidi ir comemorar num bar de strip. O problema é que o hipopótamo tinha acabado de lanchar e só ia acabar por desperdiçar dinheiro naquele cinto de cabedal da Massimo Dutti. Ora ele vai andando, corre, dribla, e quando chega ao fundo da rua já o sinal tinha passado para vermelho de novo.

- Ora bolas! Vou ter que esperar e já estou atrasado para a reunião!

O professor de natação lá chegou finalmente e pôs toda a gente a fazer flexões no meio da lama. Flexões no meio da lama? Então isto é a tropa ou quê? Mas não era. Era só um canalizador que tinha ido à sopa dos pobres para ver se encontrava lá o avô que era toureiro. Ia haver uma corrida nesse dia e a mota estava toda descalibrada. Descalibradíssima.

- Então mas isto é um hipopótamo que se apresente? Parece uma stripper.

Pois. Foi também isso que eu lhe disse assim que cheguei do aeroporto. Não estava era à espera que o peixe demorasse tanto a picar o anzol e por isso fui tomar os comprimidos para a hipertensão. Realmente com aquele comprimido azul é impossível uma pessoa não ficar com prisão de ventre. Trabalha-se a vida toda e depois chegamos a velhos e não há estágios profissionais. É uma vida de sacrifício. Nunca mais apanho arroz na vida, mais vale dormir 12 horas por dia, beber caipirinhas e fazer colares de missangas com massinhas de letras. É que há caldo-verde a andar por aí sem seguro e depois quero ver quem é a pessoa que tem coragem de mergulhar de chapa na secção de congelados da mercearia do Eusébio, que tem lá um doberman que aquilo é coisa para ganhar o prémio fotogenia do concurso para Miss Chile.

Agora, depois desta chachada toda, se alguém de vocês resistiu a ler até aqui (eu não teria paciência), é preciso dizer também que sem o budismo nunca teria sido possível encontrar o Wally, sendo que energia é um conceito demasiado complexo para estarmos agora a tentar poupar 20 euros em gasolina quando podíamos muito bem ir a pé para o trabalho. O doberman não é assim tão ameaçador e o café strip bar snack café fica na esquina das Mouriscas com os Champs-Élysées. Se és ou não, não sei, mas já paravas de snifar UHU, a menos que queiras que apareça aí a contínua e te mande para a sala do 2º ano picotar desenhos de hipopótamos a pescar robalo em mercearias.

Amanhã à mesma hora? Mandem toque que eu desço.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Tenho uma amiga...

... que anda naquela fase do "estou todo o dia a pensar nele quando não estamos juntos - ele liga-me sempre que tem um bocadinho e eu também - toques mensagens e-mails" em termos de relação.

Epá, ó chouriço... Não será mel a mais?

Pra mim, que já tenho 27 anos e sou crescido, a minha noção de relação foi-se ajustando completamente aos tempos. Uma horita por dia, não mais (sem obrigação de ser todos todos todos os dias), dessa hora meia horita é pra berlaitada da valente, nada de falar sobre os problemas do dia de cada um, que é para isso que eu venho para casa depois do trabalho (se quisesse continuar a pensar mais neles ficava lá e sempre eram menos quilómetros), toques é coisa de miudagem que ainda não superou a puberdade, e mensagens só mesmo para combinar onde vai ser a berlaitada do dia de hoje.

Acho que chega. Bem bom.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Eu dizia que não...

... que não era preciso, que passava bem sem ela, que os passos que preciso de tomar para atingir os meus objectivos até se cumprem melhor se não a tiver por perto a mexer com os meus sentimentos, mas a emoção vence sempre sobre a razão.

Pode continuar a não ser a paixão da minha vida, mas isso não faz com que o facto de passar tempo com ela seja um crime. Sabe bem? Se sabe! É incrível! Desarma-me. Só não sei como é que meti na cabeça que podia ter uma existência plena sozinho, sem lhe tocar, sem olhar para ela e sorrir com tudo o que tem para me dizer.

Ao princípio nem gostava dela, andava de olho noutra. Se não pensasse um bocado, nunca imaginava o que poderia estar a perder. Era todo um conjunto de sensações que me poderia passar passar ao lado. Estaria a abdicar de uma relação mais profunda e recompensadora por uma que, quase de certeza, ia ser banal, superficial e efémera. Mais efémera, pelo menos. Ainda bem que alguma da maturidade que ganhei me fez pensar e me ajudou a perceber ao lado de qual é que podia ser mais feliz. E a primeira vez em que a liguei confirmou a minha decisão.


Amo-te, Playstation 3.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Mas será que...

... já posso sair à rua sem ter de desejar bom ano e dizer obrigados igualmentes ou esta merda ainda se vai estender até Fevereiro? Quando é que será socialmente aceite ignorar estes protocolos da treta? 2008 já foi, pá!