terça-feira, 13 de abril de 2010

Precedentes

Admiro bastante as pessoas disciplinadas. Fala-se demasiado em talento mas, no final do dia, quem atinge os seus objectivos é quase sempre aquele que se consegue manter focado durante mais tempo. Nada substitui o esforço e a dedicação.

Lembro-me de estar na primária e fazer os trabalhos de casa assim que chegava da escola. Nem sequer almoçava primeiro. Não tinha grande método. Ajoelhava-me no chão com os cadernos e a caligrafia acabava por sofrer. No entanto, a repetição do ritual levava sempre a zero erros, contas certas e caminhos de ferro todos decorados. Tinha poucos amigos, portanto.

A minha mãe, lá para a terceira ou quarta classe, lembrou-se de me perguntar porque é que eu não almoçava e brincava um bocadinho antes de fazer os deveres. Eu não ligava, mas como a pergunta persistia, lá comecei a fazer os trabalhos de casa cada vez mais tarde, ao ponto de ser hora de ir para a ginástica e ainda ter as folhas todas em branco.

O problema foi abrir um precedente. Eu nem me incomodava em despachar logo aquela porcaria, ainda que os deveres em si tivessem maior utilidade para a porção de alunos de raciocínio limitado da escola do que para mim e para os meus dois amigos inteligentes (numa turma de quase trinta, procedam à medição da popularidade). Seja como for, não devia ter parado para jogar meia hora de Space Invaders antes de escrever a composição sobre os mamíferos. Serei sempre daquelas pessoas que ou faz tudo de forma nazi, ou então, ao dar um bocadinho de espaço para outras coisas, deixa ir tudo por água abaixo.

Isto remete-nos para a noite de ontem. Estava a jogar um jogo qualquer no portátil e deu-me uma súbita mas não incontrolável vontade de cagar. Apesar da sensação causada ser tolerável, adjectivação motivada pelo prazer proporcionado pelo jogo, aquele cagalhão castanho estava mesmo a avisar que ia ser complicado de ser expulso pelo serviço de estrangeiros e fronteiras. Assim que me sentasse na retrete, iria passar lá umas férias agradáveis.

A bateria estava cheia. O rato nem sequer era preciso. Olhei para o portátil. Olhei para a casa de banho.

- Mas que mal é que faz? Logo agora que o jogo estava tão agradável... Levo o computador só um bocadinho e até o posso pousar em cima do cesto da roupa. Faço cocó, jogo mais um bocadinho e vou-me embora. É só desta vez! Tu até vais trocar de pc em breve! Fazes e puxas logo o autoclismo!


De repente aparece um clarão e começo a ouvir uma voz. Era tal e qual a aparição de Nossa Senhora de Fátima aos pastorinhos, com a única diferença de que a minha era real. Não era uma gaja vestida de branco, era eu só que com ar jeitoso e uma auréola na cabeça.

- Não podes! É errado! Não tens um pressentimento de que estás a arruinar a tua vida? Lembras-te de quando começaste a levar revistas para o cagatório? Andaste meses para conseguir perder esse vício! Mais tarde, de cada vez que pegavas na Visão, começavas logo a sentir os movimentos peristálticos, mesmo que tivesses acabado de cagar há dez minutos. Ah, e já agora tenho três segredos para ti. Dois deles revelo-te agora; o terceiro digo-te da próxima vez que conseguires comer uma gaja à canzana estando ela sóbria. Pronto... Se estiver quase a entrar em coma alcóolico também conta. Força, miúdo!

Nunca fui um gajo muito religioso, mas aqueles ensinamentos, para variar, faziam perfeito sentido. Por mais que eu dissesse que era só daquela vez, no fundo sabia que dali até começar a tratar da burocracia do trabalho sentado na sanita, ia um passo assustadoramente pequeno. Se a primeira fantasia de qualquer homem é fazer amor com duas mulheres ao mesmo tempo (e por fazer amor, entenda-se partir-lhes a bilha em cacos mil), a segunda é tratar a casa de banho como se fosse um escritório em miniatura.

Lembro-me agora que, já há uns anos, numa altura em que me decidi tirar o telemóvel do bolso para brincar um bocadinho enquanto o cocó se decidia a meter a cabeça de fora, a repercussão não foi das melhores. Passei a sair de lá quase sempre com menos dois traços. Agora aprendi a lição. Disse sim a evacuar e não à computação.

22 comentários:

S* disse...

Realmente temos de deixar de ser viciados.

"Dois deles revelo-te agora; o terceiro digo-te da próxima vez que conseguires comer uma gaja à canzana estando ela sóbria. Pronto... Se estiver quase a entrar em coma alcóolico também conta."

GO BOY! GO BOY!

Fresco_e_Fofo disse...

É verdade, desde a década de 90 até há cerca de dois meses, caguei sempre de "brickmania" em punho.
O primeiro avariou e no dia seguinte tive de ir à banca dos monhés comprar outro.
Desta vez e no fim de ter desmontado a "traquitana" uma série de vezes, ela acabou por dar o peido mestre.
É um jogo tão antiquado que, desta vez, nem procurei.
Agora sou um homem livre. Longe vão os tempos em que as pernas dormentes mal me deixavam mudar da sanita para o bidé, pois ao fim de uma hora (ou mais), ou era o bidé, ou o escopro.
Ainda não bato o record do José Castelo Branco (tem o cu tão relaxado que ainda não acabou de ajeitar a peida na sanita e já cagou), mas vou a caminho dos 5 minutos por cagada.
Sem dúvida que a S* tinha razão.
Conversa de merda é mesmo aqui ahahahah.

Susy disse...

Ler este post, foi o meu momento de descontração do dia!

Eli disse...

Parece-me que alucinas! Sempre gostei de ideias. Tenho um amigo que diz que é idiota e compreendo a razão!

:)

eu mesma disse...

Meu caro, de que traumas padeces tu? Caíste do berço? Nao foste amamentado? A tua mãe queimou-te? Foste abusado por um vizinho panilas? Deves ter a p*ta da auto-estima nos píncaros para te considerares "relativamente inteligente".Acho que este derradeiro post é o resumo integral da tua essência:és uma valente (posso escrever merda, posso?) MERDA!!
Tenho dito.

Pedro M. disse...

Daí o uso do advérbio de modo "relativamente". No fundo, sou um merdas profundamente perturbado. Mas, relativamente a ti, considero-me inteligente. Ah, e provavelmente bastante mais magro.

A tua Kika preferida disse...

Pedrinho Querido,

faça-nos um favorzinho. Dê um encontrarão contra a parede à querida da eu mesma. É que a moça toda ela é fervores. Tu já me viste bem, o que aquilo não resulta num rendez-vous supé íntimo? É um 7.5 na escala do Richter. Mas assim, limpinho.

Estou certa, ou tenho razão, Shorshe? :D

eu mesma disse...

Deve ser "a tua crica preferida" nao? toda eu fervilha, toda eu comicha, toda eu faz e acontece, amen.bota lá dar encontroes, pode ser isto acalme, senao so la vai com um xanax.
and that´s the bottom line.

MartaP. disse...

Não se deve dizer 'mal' dos vicios menos maus. Acho que não tem mal nenhum levar o pc para a pia :D
Tirando a parte de ficarmos lá tanto tempo que até ficamos com o rabo dormente, até é bem fixee lol

A tua Kika preferida disse...

eu mesma, Querida Amorosa e Fofa, estás a querê-lo, não estás?

:D :D :D

A tua Kika preferida disse...

A Bebé Fofa da eu mesma tinha razão. É encontrão, caríssimos, é encontrão!!!

eu mesma, partilha o xanax, partilha, partilha? :P

eu mesma disse...

partilho baby, partilho! peço desculpa pelo meu mau génio, mas em dias de trovoada fico assim, é a electricidade estática que me poe confusa, rebelde. mil perdões ao blogger e a ti, Kika preferida. o sol brilha, e estou entao, muito melhor, fofinha mesmo pá. perdoais-me nao perdoais?

eu mesma disse...

será que sou bipolar?

Corset disse...

LOL haja coragem para tomar decisões deste calibre!

Gatinha disse...

Caí aqui por acaso e já rebolei a rir! Obg por animares o meu countdown para o fds :)
*

Lu.a disse...

LOOOOLLLL!!

A tua (do Pedro M., 'tá?) Kika preferida disse...

Oh eu mesma do coração, cá beijinho querida, cá beijinho.

eu mesma (toda ela taradona) disse...

que dizeis a eu mesma, o pedro M e a sua kika preferida? tudo junto....à ramboiada da grossa? porque a primeira vez é sempre a três.

A tua (do Pedro M., 'tá?) Kika preferida disse...

Pedro, na tua casa, ou na minha? :D eu mesma(toda ela taradona), estamos só aqui a afinar agulhas e já dizemos qualquer coisa sua doidona on xanax!

Pedro M. disse...

Ai que já sinto o cheirinho a borracha queimada.

A tua (do Pedro M., 'tá?) Kika preferida disse...

Just for the record, em quantas mamas vamos Pedrinho?

Samuel M P disse...

Isso mesmo! Criar um movimento contra a dormência pós-sentadela no trono! Às vezes até enjoa... Pá, eu não acredito que escrevi isto.

Bem... está a tenda armada ou quê? É só amor e Paz Paz?

Abraço