segunda-feira, 20 de setembro de 2010

True story

A minha casa de banho tem três anexos. Ao entrar, temos um de 1 m2, com um lavatório e portas de acesso aos outros dois (é, portanto, uma espécie de hall da higiene pessoal). Um é maior, tendo banheira, sanita e toda a parafernália normal em tamanho de gente, enquanto que o outro tem igualmente 1m2, com espaço apenas para uma sanita e um bidé.

Acontece que eu estava a cagar na sanita do cubículo mais pequenito. Tinha-me dado a vontade de deitar fora lastro ao mesmo tempo que enviava uma mensagem escrita, legitimando (?!) a minha decisão de levar o Nokia para tão vil (do ponto de vista olfactivo) espaço.

Foi uma das cagadelas mais sofisticadas da história, já que escrever uma mensagem com o estilete em telemóvel touchscreen continua, pelo menos para mim, a ter conotações de atitude de homem de negócios. A única diferença é que eu não estava de fato. Ah, e estava sentado numa sanita. Ah, e mesmo se estivesse de fato, parte dele estaria para baixo, o que retira logo a aura negocial à coisa.

Finalizado o serviço, começa o pesadelo. As minhas pernas estavam no seu estado mais dormente desde o episódio da queca sentada de 1999. Levantei-me e, apercebendo-me subitamente de que não tinha qualquer tipo de controlo sobre as pernas, caí de pé para a frente, qual soldadinho de chumbo, batendo estrondosamente com os cornos na porta. Curiosamente, ainda bem que decidi cagar no cubículo pequeno. É que, se bater com a cremalheira numa porta de madeira maciça já é mau, no chão é muito pior. E pronto, lá fiquei eu de pé, literalmente na diagonal, durante uns eternos 5 segundos, apoiado apenas pela cabeça. Se alguém se lembrasse de abrir aquela porta naquele momento, podia até nem estar agora a escrever este post. Podia ter batido a bota. Realmente sou como o Jack Bauer do 24, na medida em que estou sempre a correr grandes perigos, independentemente do local ou hora do dia.

Fica apenas uma nota positiva. Quando caí, caí com o cu já limpo. Meus amigos: se isto não é cair de cabeça erguida, então não sei o que será.

9 comentários:

Dead Cowboy disse...

A diferença para o Jack Bauer é que nunca ninguém o viu cagar em oito temporadas. Daí a sua cara de prisão de ventre.

É que nem um xixizinho...

A. disse...

Já te disse que me fazes rir? Mas rir com gosto. Bom, muito bom!
Amanhã o mais certo é estares com um galo na tola... mas é a vidinha!

Loira disse...

ahahahahah

Ao menos não sujaste tudo, já é qualquer coisa de positivo! :p

Crente disse...

Ah ah ah ah!

sara disse...

A bem dizer, é cair de cu erguido...;) ainda assim, igualmente meritório!

salivar disse...

ahahahahahahha....gostei!!!!!!!!!

clara disse...

aventuras no wc

sophia disse...

deixa que te diga, meu caro pedro, que a tua descrição linda dessa aventura que é muitas vezes as figuras estúpidas que se fazem na casa de banho serviu para me fazer rir à gargalhada fechada num quarto deprimente com vizinhos barulhentos e sem falar com ninguém há mais de 4 dias.

por isso mesmo, obrigada pá.

Ana disse...

Muito obrigadinha que já chorei a rir e estava tão a precisar!

Já sou fã! :o)