quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Não percebo a indignação das mulheres...

... quando são alvo de piropos brejeiros. Juro que não percebo. Afinal de contas, é apenas uma forma exacerbada de elogio, porra! Não levar a bem um piropo porco não passa de pura ingratidão. A maior parte, muito provavelmente, nem sequer foi elogiada durante o resto do dia. Não o fez o marido, não o fez o namorado, não o fez o amigo, o colega de trabalho com quem passam mais tempo, ou mesmo a recepcionista lésbica do ginásio onde se vão pôr mais atraentes . E, já agora, atraentes para quê? Para, mais uma vez, meio mundo fazer de conta que não repara (ou que não repara literalmente) nos vossos atributos.

Se de repente houvesse uma vaga de mulheres a querer trabalhar nas obras e eu, ao passar por um grupo delas, ouvisse um "punha-te massa folhada à volta da pila e chamava-te rolo de salsicha ao pequeno almoço, almoço, lanche e jantar", ficava com um sorriso na boca, no mínimo. Podiam não ser as trolhas mais atraentes do mundo. Podiam até ser as menos atraentes. Mas reparem: não ficamos obrigados a ir para a cama com quem os faz. A gorda de bigode que me disser que eu sou pau para a obra dela não vai levar daqui nada. Não merece é que eu fique repugnado.

Aliás; o piropo até costuma ser mais genuíno do que o elogio educado. Se um taxista olhar para uma mulher que o atraia e disser "as tuas mamas dão tesão até ao Cristo Rei", ele sabe, na esmagadora maioria dos casos, que não há qualquer hipótese dele vir a ter um caso, por mais esporádico que seja, com canhões daquele calibre. Já o colega de trabalho, sempre de fatinho, quando diz "ai Matilde, já sabia que era bonita, mas hoje está deslumbrante", na realidade (consciente ou inconscientemente), está a pensar "punha-te ovo e pão ralado nesse cu e fazíamos um croquete". O taxista sabe que não pode; já o engravatado não terá escrúpulos. Ela pode ter marido, pode ser freira, pode ter enviuvado há dois dias, que nada mais interessa que não a satisfação das suas necessidades. O elogio não é um fim em si para quem elogia de modo eloquente; é apenas um meio para se meter no meio.

Em último caso, se querem expressar indignação, não dêem desprezo. Respondam à letra! Digam qualquer coisa do género de "querias-te roçar nelas mas vais acabar o dia a esfregar a cobra zarolha, ó meu cara de caralho". Nós, ao contrário de vocês, sabemos apreciar as palavras de uma mulher quando são ditas sem rodeios, com sentimento, com intensidade, mesmo quando insinuam que temos aspecto de ser gordos, carecas e com apenas um olho estreitinho e comprido no meio da testa.

14 comentários:

Ana disse...

A linguagem dita porca ou brejeira nunca me fez confusão nenhuma, nem me ofende minimamente. Já os floreados e as frases feitas de cavalheirismo barato deixam-me sempre de pé atrás. Não há coisa mais enjoativa (para mim, claro)do que um homem cheio de mariquices e poesias na hora de mandar um piropo.

Francisco o Pensador disse...

Pedro, juro-! adorei este teu post!
Ai que se fosses gaija...

:))))

(Ps: Vais dizer que não gostastes deste piropo...hehehe)

busycat disse...

Tens jeito... Quando se acabarem os cursos que tal uma experiencia numa obra perto de casa? Ouvi dizer que há pedreiros com bons salarios:)

beijo

A tua Kika Preferida disse...

Não consegui passar do meio do segundo parágrafo.

MAN...

A info-excluida disse...

Nunca tinha pensado nisso assim. Para a próxima agradeço.

S* disse...

Meu deus... que piropos tu inventaste. A da massa folhada é muito à frente!!

Morah disse...

Grande post! Bem dito e sem espinhas!

É assim mesmo! A verdade crua e nua aqui neste blog.

Anónimo disse...

Oh Pedro... Muito bom!!! Mesmo! Ainda não consegui parar de rir:)))

T.

Nota Solta disse...

Adorei este seu post!um grande rasgo de inspiração. Qual Gato Fedorento, qual quê!É Inútil resistir-lhe! ao Post(e), claro! Relativamente alto, não é? :))

Bailarina disse...

Bem, acho que descobri este blog na altura certa... Grande post!! Adorei e concordo plenamente!! Adoro ouvir essas bocas, farto-me sempre de rir... Sempre me pode aparecer um trolha à maneira e eu meter a mão na massa... 8)

ricardo disse...

exprimenta a viver num país fora de portugal e verás :)

Suspiro do Norte disse...

Bem... Muito bom este post..

Eu acho que no fundo no fundo até gostamos, mas relativamente aos piropos nas obras, o problemas as vezes não reside (tanto) nas expressões usadas, mas no facto de sabermos que a situação será motivo de risadas em grupo, e para quem quiser ouvir... E isso além de irritar, é embaraçoso.

Anónimo disse...

muito engraçado hahahahaha carine

C. Gonçalves disse...

Eu acho uma tristeza (os piropos) -que não servem para nada,mas que os homens (pelo menos alguns!) adoram pensar que sim...

PS - mas o teu blog é divertido...:)
- uma nova fã single...;)