quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ainda não me conformei...

...com a eliminação dos Bifana Bifana pelas mãos do Esquadrão Paella. Para mim acabou. Não vejo mais jogo nenhum. Ainda assim, este mundial teve um aspecto interessante: finalmente o Kenny G descobriu um instrumento de sopro em que até ele pode aspirar a ser virtuoso.

Síndrome Youtube

Tenho a noção de que quem mais lê este blog são as mulheres e que, provavelmente, vos vou ofender com a minha generalização. No final damos todos um abracinho e até prometo que não estico as mãos para vos apalpar o rabo (estou a fazer figas).

No geral, os homens têm uma cultura desportiva maior do que as mulheres (nas gerações futuras a diferença irá diminuir, espero). Desde pequenos que o desporto ocupa uma parte bastante maior do seu tempo (DESPORTO, não é ginástica rítmica ou patinagem). Temos maior tendência para correr, saltar, pular e chutar ou arremessar tudo aquilo que tenha um formato mais ou menos esférico (vide a nossa obsessão por boas mamas). Nas aulas de educação física não damos gritinhos nem saltamos para o lado com as mãos a tapar a cara quando nos passam a bola. Não dizemos que temos o período para podermos ir para trás do pavilhão falar de gajos e vernizes. É claro que depois também falhamos noutras coisas, mas isso não está aqui em questão (frase politicamente correcta; foi de propósito).

No entanto, a maior parte das pessoas que vejo a desancar no Cristiano Ronaldo e na selecção, tecendo todo o tipo de considerações estratégicas (?) e técnicas (??) são mulheres. Os homens falam na primeira substituição polémica e já sabiam de antemão que, pelo facto das equipas terem sido muito iguais, a primeira a sofrer um golo teria grandes dificuldades para discutir o resultado. Agora se se cospe ou se não se canta o hino, isso é verniz. Não teve influência no resultado.

É fácil vir dizer que o Cristiano Ronaldo não jogou nada (e isto agora serve para homens e mulheres), e que não fez nada, e que não gosta da selecção, e que o Fábio Coentrão é que é (espero que mantenha o nível no futuro). O problema é que a maior parte das pessoas que diz isso não vê futebol o resto do ano (ou vê e não percebe). Limitam-se a ver os clips de highlights de um jogador no youtube ou na televisão e acham que ele ao longo de um jogo (e de todos os jogos) tem de obrigação de sacar consistentemente noventa minutos daquele bailado futebolístico.

Há vinte e dois jogadores no campo durante esses noventa minutos. Simplificando (imenso), cada um deles tem a bola nos pés durante cerca de quatro. Agora contabilizem todos os momentos mortos e o facto de haver posições com tendência para maior posse de bola que outras. Será fácil para alguém, em jogos absolutamente decisivos, fazer milagres durante esses (bastante) menos de quatro minutos, sendo quase sempre muito bem marcado pelo adversário? É difícil. Não é, seguramente, falta de vontade.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Casamento

É nestas alturas que percebo a sua utilidade. Portugal perdeu, estamos cheios de vinho nas veias e os miúdos foram sair e ainda não chegaram a casa. Em quem é que vamos bater?

Para a próxima, quando passarem pela Sportzone ao domingo com o marido e os filhos, vão-se arrepender de não terem deixado o vosso homem comprar aquele saco de boxe de 70 euros. Gasto supérfluo? O dinheiro tem de chegar até ao fim do mês? De qualquer das formas, se o dinheiro não vai para o saco, vai para as taxas moderadoras.

Hipermetropia

Deve ser lixado; não me passa pela cabeça ter de por os óculos para fazer um minete em condições.

domingo, 27 de junho de 2010

O Segredo de Vitória


Pasme-se; a montra não é de uma loja em Canêdo.

sábado, 26 de junho de 2010

Força Portugal

Parece que não há mais chouriços para encher e ainda só agora acabou a fase de grupos. No canal 1, dão vários minutos de antena a um gajo qualquer a falar de tarot terapêutico (lol!?), sendo a entrevista de Jorge Gabriel conduzida como se a coisa funcionasse mesmo e ele quisesse apenas saber mais pormenores, seguindo-se (coerentemente) a música de Élvio Santiago (agora já não é sobre o orkut, é sobre o hi5). Quem foi a brilhante mente encarregue do alinhamento? Ainda se fosse num qualquer canal de cabo...

Acontecerá isto em todos os países? Será só nos subdesenvolvidos? Somos só nos que somos um povo tão fraquinho e burro que papa esta televisão generalista com todo o gosto?

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Cara de vomitado de feijoada

Quando comecei o "É Inútil Resistir", já achava que a blogosfera estava saturada. Mas pronto; era teimoso e achava que podia contribuir para a alfabetização do país. País de brandos costumes só aprende com valentes apertões nas nalgas, coisa a que me propus fazer por intermédio de palavras.

Eventualmente, vamos querer ser lidos; quantos mais melhor. Infelizmente, não basta mandar umas postas de pescada certeiras. É preciso sermos do sexo feminino, falar de sapatos, malas e sentimentos, ajudando também à festa que se comente frequentemente todo e qualquer blog no topo da hierarquia, de modo a chamar à atenção. Nunca me prestei muito a isso; dá muito trabalho comentar com frequência os blogs dos outros, e se fizesse uma operação de mudança de sexo, Portugal ganhava apenas mais uma lésbica de meter medo.

Ainda assim, houve uma coisa com que sempre sonhei: ser insultado no meu próprio blog. O insulto gratuito de quem fica ofendido por qualquer coisa que seja escrita por nós é a maior prova de qualidade que se pode ter quando se escreve sobre parvoíces. É fácil escrever directamente para o coração das pessoas, mas deixá-las com o pêlo eriçado, a espumar da boca e com as virilhas assadas é uma sensação apenas igualada por um Super Menu Big Tasty com Fanta de laranja.

A criatura em questão, de seu nome Isabel, ao ler o meu blog de ponta a ponta (são horas de vida que ninguém te devolve, filha), desencantou um post de Abril de 2008, acerca do desfile em fato de banho para o concurso Miss Canedo, um dos principais certames de moda da altura (só não sei é onde). Passo a publicar o comentário da Miss Isabel, de modo a ficar mais à vista:

"Eu realmente vi o vídeo, e engraçado, não achei assim tão mal quanto isso. Porquê? Eu sou uma das meninas de quem tanto mal dizes. Engraçado, depois de ser Miss Canedo, Fui eleita, e isto sem concorrer, miss caloira do IPP em 1998. Fui Miss France-Comté(em França). Em contrapartida, acho que tu comcerteza, deves permanecer virgem, sem ter de viver em Canedo. Tomei a liberdade de ler o teu blogue e sinceramente, não encontrei nada digno duma pessoa que se acha esperto. (uso a palavra esperto, porque inteligente é apenas usado para pessoas - esperto é mais apropriado para seres como tu...) Posso não ver a tua cara, que deve ser pior que vomitado de feijoada, mas pela tua cabeça, deve ser mais fácil ter amor e carrinho por um cão do que por ti..."

Realmente, a única forma de não achares que há ali qualquer coisa de errado (e estranhamente belo, ao mesmo tempo), é teres participado no desfile. Sabes que, para se ter beleza, não basta ser-se magro. Convém saber andar ligeiramente melhor do que um servente de pedreiro (não desfazendo; linda profissão). Já agora, pouca roupa não indica sensualidade. Fingir que os panos da louça são bikinis não resulta nos dias de hoje. Parece que foram à tropa e vos roubaram a farda. Antes viessem vestidas de camuflado, bebé. Espero que a moda em Canedo, esse palco mundial do estilo, não tenha ficado parada no tempo. Ao menos o salão da paróquia onde o vosso evento é organizado sempre estava mais bem enfeitado do que as concorrentes.

Por outro lado, parabéns por tudo aquilo que alcançaste como manequim. Realmente, ser eleita sem concorrer não é para qualquer um. Ouvi dizer que também não concorreste ao Achas Que Sabes Dançar mas que mesmo assim foste eleita para a lista de cromos. Eu se fosse a ti emoldurava os diplomas e pendurava no teu local de trabalho, onde fazes baínhas às saias que as senhoras de Canedo pedem para arranjar. Não vale é a pena pendurares o de Miss Franche-Comté, já que não pareces fazer parte da lista de vencedoras (e olha que consultei desde 1974). Mesmo que tivesses ganho, até eu seria capaz do mesmo. Bastava-me depilar os sovacos e aprender a desfilar. Há concorrência mais feroz noutros lados.

De resto, se não encontraste vestígios de inteligência neste blog, deves procurar a resposta dentro de ti mesma (não, não é aí, tira o anelar do cu). É que é complicado uma pessoa reconhecer inteligência quando tem falta dela. Mesmo assim, o teu falhanço não foi total: dizer que a minha cara deve ser pior que vomitado de feijoada foi das coisas mais fofinhas que ouvi nos últimos tempos. Encheste-me o coração de alegria e ternura. És uma mistura de Florbela Espanca e Frida Kahlo das passerelles. Em mau.

Despeço-me com uma certeza: vou emoldurar o teu comentário. Sempre que olhar para ele, vou voltar a ver o vídeo do desfile Miss Canedo 1997, soltar um valente porra, e lembrar-me porque é que Canedo, em 1997, foi eleita a terra oficial da canzana. Sim, porque de frente, nem o Quagmire lá metia a mangueira.


Deixo-vos com o vídeo.


O ketchup é tanto...

... que eu nem vejo o bife e as batatas.

domingo, 20 de junho de 2010

L'Osservatore Romano acerca de Saramago

Não sei quem é Claudio Toscani e, sinceramente, pouco interesse tenho nessa informação. Já o Vaticano, felizmente, cada vez mais sabemos o que é, o que defende, e o que pretende no contexto da sociedade moderna, por mais camuflagem que seja empregue numa tentativa de adequação à modernidade.

Tenho a convicção de que, à medida que a nossa sociedade evoluir, a influência da religião sobre o mundo diminuirá (não só o cristianismo mas todas as outras). Uma pessoa isenta, com vontade de conhecer e bem informada, tem mais probabilidades de possuir suficiente sentido crítico para ver além dos dogmas, da imoralidade, da repressão e controlo que a religião representa.

Saramago, relativamente à religião, limitou-se apenas a dizer "o rei vai nú", ao longo da sua vida. A crença em deuses omnipotentes, omniscientes, omnipresentes, omnibenevolentes, e omni tudo aquilo que acabar em ente, que nos ama a menos que sejamos paneleiros e muitas outras coisas, é tão coerente como as rubricas da Maya numa qualquer revista cor-de-rosa.

Até a Igreja Católica em Portugal soube abordar a morte do escritor de forma elegante, para minha surpresa. O diário do Vaticano, não tendo nada para dizer ao nível daquilo que Saramago merecia, tinha o dever era de ficar caladinho, em vez de publicar a retrospectiva de Claudio Toscani. Teria sido mais inteligente.


Resumo simplificado no Diário de Notícias, para quem tiver preguiça de googlar

Banda Larga

- o mais provavel é não termos tv cabo

- não ligo mt à televisão

- se houver porreiro

- se não houver, tá-se

- eu também nem estou em casa tempo suficiente para ver tv, por isso não vejo necessidade de ter tv cabo

- net é que é bem de primeira necessidade

- tenho muitas coisas que só posso fazer pela net

- é como eu

- nas faculdades hoje em dia é tudo pela net

- ya

- e na casa pia hoje em dia é tudo pelo cú

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Fazes-me um favor sexual?

- Sexual? Epá, claro!

- Vai-me comprar pensos ao supermercado.

- Queres uma resposta sexual?

- Vá, rápido, diz.


- Vai pó caralho.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Os golos são como o ketchup

"Umas vezes, por muito que se tente, não saem, outras surgem todas de seguida."

Esta frase é do Van Nistelrooy, tendo sido a citação utilizada pelo Cristiano Ronaldo na última conferência de imprensa.

Desde essa altura, já ouvi chamar de tudo ao Ronaldo, desde bronco e afins para cima. Ou é porque não sabe falar, ou porque a frase é estúpida, ou isto ou aquilo.

A frase, de estúpida, não tem nada. Quem não perceber o sentido da analogia (embora o ketchup hoje em dia já seja de utilização mais simples), ou tem menos de 6 anos, ou é idiota.

Quanto ao não saber falar, acho até que ele fala muito bem. Uma coisa é ter pouco vocabulário e dar os pontapés ocasionais na gramática (e sabe-se bem porquê). Outra é não saber falar. Queria ver quantos iluminados deste país fora seriam capazes de se exprimir com desenvoltura em público, quanto mais no contexto de um evento destes.

Sinceramente, se eu estivesse no lugar do gajo, tinha pelo menos o dobro ou o triplo da "arrogância" que ele demonstra. Ia aproveitar as oportunidades que ser um dos melhores do mundo me proporciona, e ia cagar bem de alto para qualquer juízo de valor menos profundo que tivessem a menos respeito.

Quantos de nós somos sequer bons nalguma coisa, quanto mais os melhores?

domingo, 13 de junho de 2010

Santos Populares

Eu bem tento ficar perdido de bêbedo e divertir-me, mas apenas consigo ficar perdido. Neste caso, não é meio caminho andado.

sábado, 12 de junho de 2010

Antes do banho

Tenho a sensação de que o meu sovaco direito, às vezes, cheira pior do que o esquerdo*.

*e nunca o contrário.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Momorte aos vuvuzuelanos



Se eu estivesse encarregue da segurança do Mundial de Futebol, qualquer adepto que fosse visto num raio de 1 quilómetro do estádio com um cagalhão de plástico daqueles na mão, era obrigado a enfiar o raio da vuvuzela pelo cú acima e fazer força até sair som pela boca. Tentei ver um bocado do jogo de anteontem contra Moçambique e aguentei no máximo 5 minutos. Ou se tira o som (perdendo metade da piada de um jogo de futebol) ou então leva-se em cima com uma cortina de som infernal. Se esta imbecilidade continua pelo mundial dentro, o consumo de minis em cafés, da minha parte, vai ser reduzidíssimo.

Uma coisa é um gajo em África decidir ser atrasado mental e inventar a vuvuzela. Outra coisa é uma população inteira achar que deve tornar aquela aberração parte da tradição futebolística do país. São tão atrasados mentais como o bardajão que a inventou e as empresas que a comercializam. Desejo, aliás, insolvência patrimonial e financeira a cada uma delas, desde a Galp até ao caralho mais velho do raio que as parta.

Foda-se, que mania que nós temos também em pegar em tudo o que de merdoso se faz no estrangeiro. Até trouxemos um gajo da África do Sul para andar aí em digressão a explicar às pessoas como é que se toca aquilo. Por acaso foi preciso contratar alguém de outro continente para explicar ao Cláudio Ramos como é que se mama numa picha? Será que a coisa não é suficientemente autoexplicativa?

Mal por mal, mais valia pegarmos nas tampas das canetas bic e assobiar com aquilo, ou fazer estalinhos com a tampa do compal. Ninguém lhes chama de instrumentos e não foram gastos recursos a fazê-los com esse propósito.

domingo, 6 de junho de 2010

É curioso que a BP...

... não consiga conter na sua totalidade a maré de crude no Golfo do México. Digo que é curioso porque me faz lembrar a primeira vez que amei uma moça à canzana.

Passou-se o seguinte:

- Ena pá que isto é tão bom. É mesmo como as gajas de sexta à noite do canal Viver Vivir faziam. Porra que isto é capaz de ser o melhor dia da minha vida. AI QUE SE NÃO TENHO MÃO NISTO MAIS UNS SEGUNDOS E COMEÇO A VERTER DA JUNTA.

E foi aí que comecei a pensar em dois camiões cisterna, um da Galp e outro da BP, que se ultrapassavam, andando um a oitenta e oito e outro a noventa quilómetros horários, como é habitual. É um processo meio demorado. Foi remédio santo para combater o excesso de entusiasmo, já que me retirou a cabeça de cima do processo amoroso, enquanto a de baixo continuava em vigorosa basculação, alheia ao supracitado entusiasmo.

E por isso não percebo esta ineficácia da BP em estancar o derrame. Se funciona comigo, devia funcionar com os outros.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Ora o nosso amigo André Villas Boas...

...diz que é mais como o Bobby Robson e menos como o José Mourinho. Tem o nariz grande e gosta de beber vinho.

Que alívio! Da maneira como isto anda, qualquer clube com que o meu Sporting não precise de se preocupar à partida, já é meio caminho andado para voltar a sonhar com um campeonato.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Psicologia Comportamental

A definição da personalidade de um indivíduo é feita, principalmente, ao longo dos primeiros anos de vida. Grande parte dos comportamentos exibidos por um determinado sujeito são adquiridos em função do modo de actuação na primeira ocorrência de cada uma das fases marcantes da vida de uma pessoa.

Imaginemos, no seguimento desta premissa, uma das mais importantes etapas de maturação:

Dois sujeitos independentes, designados de A e B, sentem fome antes de dormir e decidem preparar uma sandes de pão caseiro com sementes de sésamo, barradas com manteiga e adicionando à posteriori duas fatias de fiambre da perna ultra-fino. Finda a confecção e dada a primeira dentada, são acometidos por uma inesperada vontade de cagar. Existirá um conjunto de instruções inconscientes para todos os seres humanos mediante o caso exposto, ou haverá espaço para o exercício da capacidade cognitiva por parte de cada um?

Vejamos:

O Sujeito A, após primeira sensação degustativa por via do palato, tomará a seguinte linha de raciocínio:

Não só faz mal prender o cocó, como pode ser perigoso. Estreei estas cuecas na sexta-feira e hoje ainda é só domingo. Como não estou a pensar transpirar, ainda dão perfeitamente para usar amanhã. Se deixar sair um caganita que seja, vão ter de ir para o lixo. Vamos lá mas é cagar; quando voltar, como vou ter a tripa vazia, ainda vou ter mais fome. Acabo até por ainda comer também uma pecinha de fruta. Assim tipo um pêro ou umas ameixinhas.

Por oposição, o Sujeito B, embora possuindo todos os mecanismos inconscientes de suporte básicos de vida, análogos ao do primeiro, optará pelo seguinte cenário:

Eu se vou cagar agora não como mais e há muitos filhos de pais drogados a passar dificuldades. Ainda estão para inventar um desinfectante que me faça esquecer que, caso decida limpar o cú, as minhas mãos andaram por ali a vadiar muito perto de fezes. E se for diarreia? Assim é que não consigo comer durante o dia todo de amanhã. Só o cheiro tira logo a larica toda. Deixa cá fazer uma forcinha com o esfíncter e dar uns pulinhos que isto já passa. Entretanto como a sandes de empreitada e vou logo para o quarto de banho cagar no fim.

Em termos gerais, para considerarmos que um dos dois comportamentos é prevalente na totalidade da espécie humana, dever-se-á obter uma percentagem de pelo menos 85% do comportamento dominante, independentemente do estrato socio-económico dos inquiridos. A amostragem deverá, portanto, ser representativa. Caso contrário, estamos perante um comportamento que depende apenas do historial educativo dos constituintes da comunidade, podendo até observar-se diferenças que definam o grupo observado. A título de exemplo, finlandeses de classe média poderiam apresentar principalmente um comportamento análogo ao do sujeito A, enquanto que franceses de classe operária se identificariam mais com B.

À parte do estudo ficarão todos os indivíduos bipolares, já que escolherão A ou B consoante tenha chovido ou feito sol, e indivíduos obsessivo-compulsivos, que andarão de trás para a frente, da cozinha ao corredor, até conseguirem finalmente ou sentar-se de consciência semi-tranquila na sanita ou borrar as calças desde o cós às baínhas.

Pela parte que me toca, sou ligeiramente bipolar, com maior tendência para o comportamento B. A minha fobia a merda obriga-me a aguentá-la e comer a sandes toda primeiro antes de cagar, que senão já não consigo e é uma maçada porque se estraga. A única diferença é que não dou pulinhos. Contorço-me um bocado e depois levanto rapidamente ora uma perna, ora outra, até à altura do joelhos, como se estivesse a correr devagarinho sem sair do mesmo sítio.

E vocês?

terça-feira, 1 de junho de 2010

Eurovisão 2010

Sempre achei que a única coisa mais panascona que uma parada gay alemã era o Festival da Eurovisão. Aliás, não é uma mera opinião, é um facto.

Se Portugal quer ter a mais pequena hipótese de ficar bem classificada (ou até ganhar) naquele tipo de concursos, tem de fazer um casting para gajas com ar de puta fina e metê-las a cantar em inglês.

Escolher a Filipa Azevedo e aquela versão específica em português para representar o nosso país foi como ir lá dar pérolas a porcos. A miúda simplesmente canta demasiado bem e demonstrou demasiada classe.

Filipa:

Cresce mais dois aninhos, mete umas mamas iguais às da Fafá de Belém (com a diferença de não haver o risco de roçar os joelhos), carrega no eyeliner, volta lá em 2012 e esforça-te um bocado menos. És capaz de ter mais pontos. A única desvantagem é que eu vou passar menos tempo a rever no youtube. Não sei, escolhe o que preferires.

Tranquem...

... os professores de educação física e os padres à chave, sim? Ao menos só por hoje...