sexta-feira, 4 de março de 2011

Despedidas sentidas

Nunca gostei de despedidas. Na maior parte dos casos, sinto-me obrigado a fingir que estou a sentir uma coisa que, na realidade, não sinto. Noutros, a minha incapacidade de esboçar sempre as expressões faciais apropriadas, leva a que me sinta culpado por não conseguir fazer passar à outra pessoa aquilo que é suposto sentir, sentindo-o de facto.

Uma das poucas alturas em que cara e coração se encontram de mãos dadas é quando como um pacote de M&Ms até ao fim (ser magro é um fardo). Pegar no último remete-me sempre para um estado de pesar, de impotência, de saudade, de humildade perante as inevitabilidades da vida que escolhemos viver. Aquele último amendoim achocolatado, naquele momento, representa um amigo, um pai, um irmão, um vizinho simpático, uma namorada dedicada, sendo que, de todas as cinco despedidas, apenas era suposto ter-se comido uma.

3 comentários:

Ana Duarte Faria disse...

Também adoro m&m's! São um dos meus guilty pleasures... :)

ǝıƃƃɐɯ disse...

Se te compreendo!!! :)

Nandita disse...

Comparo a minha incapacidade de responder com a expressão certa em despedidas com a minha incapacidade em manter ar sério nos funerais em geral. Acho que é da condição humana...