quarta-feira, 13 de julho de 2011

Unidos em torno de uma nobre causa

A paralisia cerebral é um problema que nos toca a todos (mais a uns do que a outros). Que o digam Kikas, proprietária de uma das casas de alterne (isto é apenas um rumor, não há prostituição em Portugal) mais faladas do país, e Jaimão.

De modo a angariar fundos (ou fundas, se pensarmos na pessoa que tomou a iniciativa), a Kikas, conhecida empresária do ramo da restauração e hotelaria, com especialização na noite, sugeriu ao músico Jaimão que fizesse um tema alusivo à reputada casa (sendo a palavra chave reputada), a incluir numa das suas obras, que seria vendida num concerto de beneficiência, a ser realizado no La Siesta.

A pergunta que se coloca é a seguinte:

Já se esgotou o altruísmo em Portugal? Não há mais ninguém de relevo na sociedade que esteja disposto a lutar por aquilo em que acredita? Alguém sonhava que este duo dinâmico iria coordenar esforços neste sentido?

Que o pedigree e experiência são altos, ninguém duvida. Os principais frequentadores do bar La Siesta são pessoas com a doença supracitada, enquanto que o Jaimão é portador da mesma, tendo conseguido atingir um nível de funcionalidade bastante eficaz ao nível de gestos do dia-a-dia que, para nós, são um dado adquirido. No entanto, não sou capaz de deixar de pensar que o tiro lhes saiu pela culatra. Se a música foi feita no sentido de ajudar uma pessoa com paralisia cerebral, porque é que me fica a sensação de que a sua audição vai fazer disparar o número de defs no país?


4 comentários:

Miss Mags disse...

Não acredito que tb tu tens conhecimento desse grande mito ribatejano que é a Kikas e o seu Ferrari! ahahaha

Pedro M. disse...

Miss Mags: não saber quem foi o primeiro rei de Portugal ainda é como o outro. Já desconhecer a existência da Kikas é falta de cultura geral. Viva o Vale de Santarém!

Éme Ponto disse...

Confere! Kikas essa matrona de tal importância que nunca ninguém se lembra do nome da casa que ela gere. O Vale de Santarém está no mapa, pela boa vontade dessa senhora e da generosidade das catraias associadas. Diz quem já lá foi que é uma casa de gente muito amiga e que os preços para o convívio são negociáveis.

P.s.- Uns amigos meus passaram lá uma das melhores noites da vida deles. Sei que envolveu esponjas, concursos de qualquer-coisa-com-lantejoulas-molhada, minis, jameson, conversas filosóficas do género "mas..porque é que és puta?" e negociações magistralmente efetuadas com o objetivo de baixar o preço a banco corrido de orais.

Só tenho pena de não haver o equivalente para mulheres ...:(

Sentimento de Mim disse...

Kikas, essa personagem do mundo noctívago. Eh eh eh Um hino à beneficiência que a senhora põe a localidade e a região a ajoelhar-se e a agradecer-lhe as benevolências... lol