segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

E eis que entro em 2013...

... com este ar. Pelo menos é a melhor aproximação à realidade que consigo fazer para vos mostrar qual é o meu novo ângulo de visão. Em suma, não atravessem a estrada só porque está lá uma passadeira.

Feliz ano novo!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Tenha a bondade de me auxiliar

Há poucas coisas mais estúpidas na vida do que comprar óculos. O problema não é a necessidade de os comprar, mas o acto em si. Expliquem-me como é que eu vejo qual é o par que não me faz parecer um palhaço virgem se eu não consigo ver um caralho à frente do nariz. É a mesma coisa do que ser sujeito a um casamento combinado. Como é que me posso apaixonar por uma pessoa com quem nunca fodi e/ou (sim, ou, há casos todos os dias) nunca vi? E mesmo sendo eu a escolher a gaja, basta imaginar que estou a brincar ao quarto escuro com meia dúzia delas, até lhes posso mexer e deixar de lado logo as que são demasiado esqueléticas ou que têm demasiada xixa, mas depois não lhes consigo destrinçar a fucinheira. Ainda por cima, quando se fazem  estas escolhas, não é propriamente fácil de retroceder o processo. Aliás, por vezes é mais fácil acabar com uma pessoa de quem não se gosta muito do que ter dinheiro suficiente à mão para se comprar uns óculos minimamente decentes.

Lentes de contacto não vou comprar de propósito para isso. Já há alguns anos que deixei de usar por ficar facilmente com conjuntivites (não por falta de cuidado). Levar gente comigo também não é necessariamente a solução para a coisa. Confiar no gosto dos outros para estas coisas é mais difícil do que comer uma puta sem preservativo e confiar que ela não tem mesmo sida ou outra doença sexualmente transmissível. É que gonorreia ainda dá para tratar mais ou menos depressa, agora o incómodo de andar com esta merda na cara e o subsequente mau aspecto é que já é coisa para nos acompanhar uns bons tempos, mais ainda do que aquelas mulheres que acham que fazem parte da franja de 1% de mulheres que ficam bem de cabelo muito curtinho.

Eu até me tento aproximar muito do espelho (sou míope), e acho que a ideia geral é suficientemente aproximada da realidade, mas há mais do que um requisito para se ter boa aparência. Assim como não basta parecer bem pela frente e há que o conseguir igualmente por trás, também não basta ser-se jeitoso ao perto. A cinquenta centímetros do espelho somos capazes de apreciar os pormenores, mas ter uma noção da figura que se faz como um todo, só olhando a pelo menos cinco metros de distância. Não me digam que nunca olharam para o vosso reflexo numa fachada espelhada, endireitando os ombros com mais confiança quando a apreciação foi positiva. Não o fazemos apenas por vaidade, mas principalmente porque nos faz falta a informação.

Abraçada a dificuldade inerente à tarefa, resta-me apenas desejar uma coisa: só espero não sair do oculista com ar de paneleiro ou de intelectual. Mais ainda.

Parem...

... com o All Together Now, caralho! POR FAVOR!

domingo, 2 de dezembro de 2012

100 jeito

Ver o novo programa da Marta Crawford é a melhor forma que pode haver de se passar um serão, caso sejamos uma mulher de quarenta anos perdida numa aldeia do Minho mas que até fez o 12º ano.

O programa era sobre "puns e traques e cheiros durante o acto sexual", comentado por professores numa escola de música. Houve até, portanto, lugar para uma Orquestra da Flatulência. Sim, foi este o nome, literalmente, inventado por esta catedrática da posição de missionário.

O sexo é uma coisa boa e porca. Se falarem disto desta forma estéril e educadinha, o único resultado vai ser criar mulheres que só servem para casar com o Coronel Jesuíno mas que acham que são Malvinas. Nunca na vida tive menos vontade de foder do que a ver aquela bosta de programa. Marta, querendo ser esclarecida e esclarecer os portugueses, acaba por ter o discurso mais púdico sobre sexo que eu já vi. Tive conversas no secundário bastante mais esclarecedoras do que qualquer assunto comentado naquele desperdício de tempo televisivo. Seja com professores de música ou com forcados (true story, segundo me contaram), o objectivo de aligeirar e globalizar estes assuntos é um remate claro por cima da baliza.

Se a minha opinião ainda não ficou bem patente, acho que posso até dizer o seguinte: uma mulher que não queira ser violada só precisa de levar vestida uma tshirt com a cara da Martinha e qualquer frase em que se fale de "fazer as fezes à frente do parceiro" ou dos traques produzidos pelas vaginas. Até podiam fabricar uma boneca à sua semelhança, e a mulher apontava a boneca ao meliante, em jeito de spray pimenta, e saiam clips audio retirados do programa. Garanto-vos que o violador perdia, AUTOMATICAMENTE, qualquer réstia de força que ainda pudesse ostentar no seu sardão.

Em suma, não há lugar para estas coisas na televisão portuguesa, mesmo na Sic Mulher, a menos que se queira que o resultado seja meramente humorístico. Quer dizer, nem assim, porque não passa de constrangedor. Há piadas fortes sobre aborto e incesto e consanguinidade que conseguem ser mais suaves.

Se sabes pouco sobre sexo, desejas aprofundar os teus conhecimentos e estás a considerar ver este programa, peço-te que reconsideres. Mais vale ver vídeos na net ou ir cobrir uma ovelha. Fica-se mais bem servido.

Tipo de fast food mais consumido em Itália

Prego.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Dedicado à S*, para quem o humor tem limites e há que ter respeitinho

Hoje cheguei a casa do trabalho um pouco mais cedo do que o habitual e, sem querer, apanhei a minha filha a masturbar-se com um pepino.

- Filha, que nojo! Não tens vergonha? É que eu ia comer isso hoje à noite e agora vai ficar a saber a salada.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Bjork operada às cordas vocais

http://www.vidas.xl.pt/noticias/internacionais/detalhe/bjrk_operada_as_cordas_vocais.html

Com esta intervenção, pensa-se que a taxa de mortalidade das focas na Islândia possa diminuir. Os especialistas afirmam que Bjork poderá mesmo aprender a cantar.

Percebes que estás a ficar velho quando...

... a Sónia Araújo dança melhor do que tu o Gangnam Style. Mais; o simples facto de se ter tentando dançar (repetidas vezes) esta bosta é preocupante. Se há indícios de que a senilidade se pode instalar, este é um deles.

Mesmo assim, tudo seria pior se o ponto de referência fosse a Serenella Andrade.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A desculpabilização da estupidez

Em quase todas as ocasiões em que fui chamado de céptico, o problema era a pessoa em questão ser demasiado susceptível à crendice. De facto, até aqueles que o fazem são capazes de ser chamados de cépticos por outros, desde que a parvoíce apregoada seja demasiado alarve perante seu limiar de credulidade.

Por exemplo, se andarem por aí a espalhar que a minha pichota é pequena, a esmagadora maioria das pessoas rir-se-á sonoramente. "Não é possível", irão retorquir. Portanto, se ninguém acredita nisto, fruto da facilidade da prova, porque é que alguém há-de acreditar que a Alexandra Solnado fala com Jesus? É que até a possibilidade de Pedro Santana Lopes, quando presidiu ao Sporting, ter consultado Francisco Sá Carneiro sempre que alguma dúvida surgia, sugere uma plausibilidade esmagadoramente superior

Estremeço de urticária sempre que me perguntam de que signo sou. Ultimamente costumo dizer que não sou de nenhum, até que algum olhar mais antisocial me atinja. Lá está, vou começar a responder que sou do Sporting, até porque, com a crise instalada, são capazes de ter pena e parar de me chatear mais depressa.

Mas isso nem é o pior, é apenas embirrância minha com um costume tão enraizado. Mau é quando alguém tenta desculpar o seu feitio de merda (ou justificar o comportamento de outrém) com o facto de de esse alguém ser do signo Carneiro. Quer dizer, carneiro até é, mas não necessariamente de signo. Comportamentos opostos à norma podem sempre ser justificados com o ascendente de outra merda qualquer.

- Ai vizinha, então não vê que por a Maria ser Balança ninguém pensou que fosse  capaz de fazer mal ao moço? Mas lá está, o gaiato é Carneiro e provocou-a tanto que ela acabou até por ser demasiado puta com a mãe dele. Lá está aquele ascendente Escorpião fodido a fazer das suas!

Espanta-me até a explicação mais prevalente para putos que submetem outros a bullying ser uma grande probabilidade de terem sido também eles vítimas no passado, especialmente quando são provenientes de lares disfunccionais. Não, eles devem é ser de signos de fogo. Se fossem Caranguejo ou Peixes já não batiam nos meninos.

Até aposto que há uma relação directa entre o apedrejamento durante a manifestação da semana passada e a calma com que a polícia aguentou todo aquele tempo até intervir. Se fosse comigo, com medo dos danos que os trafulhas pudessem causar (mais humanos do que materiais), teria partido logo a tromba aos primeiros, para que a coisa não alastrasse. Provavelmente a Maya escreveu numa das suas colunas que os nativos de Touro veriam a sua saúde privilegiada nessa semana e o comandante da PSP, ciente das suas responsabilidades estratégicas, perguntou umas horas antes, em voz alta - quem é que aqui é Touro, caralho - sem grande espanto por parte dos agentes, de certeza habituados à infalibilidade destes vislumbres de actividade cognitiva por parte da malta da astrologia (com letra pequena, como merece).

Em suma, se me querem falar do Zodíaco, falem-me disto (que eu curtia à brava quando era puto):


Já agora, vejam como os portugueses são capazes de apaneleirar uma coisa que, por si só, já não era das mais másculas do universo:


Terá sido o Paulo Cardoso o responsável por esta versão?

sábado, 17 de novembro de 2012

No fundo, até somos parecidos

Mas alguém quer (precisa?!) saber a opinião do Hernâni Carvalho acerca de seja o que for?

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Como ir a Marrocos sem sair de Portugal

Se noutro lado qualquer me dissessem que qualquer artigo exposto numa determinada banca teria um custo associado de apenas um euro, teria desconfiado. Mas ali, não. Naquela que é carinhosamente apelidada de Feira Internacional de Carcavelos, as coisas têm mesmo um custo baixo. Baixo para a carteira; para a saúde mental, a história é um bocado diferente.

Apesar de vivermos relativamente perto do recinto, nunca tinhamos tido uma ocasião em que, à quinta-feira, sendo feriado, nos conseguíamos levantar da cama antes das duas da tarde. A namorada achava que era capaz de ser engraçado e eu assenti. Experimentar não mata, e é assim mesmo que nos envolvemos em novas experiências e desenvolvemos os nossos gostos, a menos que a nova experiência consista em meter a cabeça dentro de uma panela de pressão a funcionar.

De facto, ali as coisas só têm, na maioria dos casos, três preços diferentes: dez, cinco e um euro. Não sempre se vêem as etiquetas, mas os preços são mesmo estes. Aliás, é mais uma questão de "É TUDE A UM EURE, MÊS AMOOOOOOOOOOOOOOOORES, É SÓ ARTIGUES DE CALIDAAAAAAADE!!!", para além de outros jargões. Fiquei um pouco sem perceber se estava num país diferente ou se tinha descoberto uma potencial mina de ouro para os profissionais da terapia da fala. Talvez seja uma mistura das duas. Seja como for, uma coisa vos digo: em altura alguma fiquei tão contente por passar em sítios onde os preços anunciados eram os mais caros como naquela feira. Parece que nas ruas dos dez euros havia mais espaço para circular e a minha cabeça roçava menos nas cordas das tendas e em fatos de treino Adidas que tinham sido contrafeitos sabe-se lá onde.

Eu não sei se em alturas de crise como esta há ou não mais pessoas nas feiras do que o costume. O que eu sei é que as pessoas se estão a iludir quando pensam que é ali que vão conseguir poupar dinheiro. Aquilo que se poupa em roupa na Feira de Carcavelos acaba por ser mais tarde gasto em sessões de quimioterapia no Serviço de Oncologia do Hospital de Cascais. A mulher que compre aquele pack de "léguins" de cabedal a cinco euros, cai-lhe a cona pelas pernas abaixo, e isso não é simpático.

Tenho alguns conselhos para dar aos vendedores e sei que não vão cair em saco roto, já que vários são frequentadores da blogosfera e, particularmente, deste espaço. Se estão a apregoar que a vossa roupa é a última moda em todo o lado (eu pensava que os pontos de partida para as novas tendências seriam, sei lá, Paris, Nova Iorque, Milão, mas não, é Carcavelos), convém que a roupa mantenha a côr original, e que aquilo que a separa do chão enquanto a vendem seja mais do que um mero cartão de óleo Fula. Eu nem as cenouras e as batatas vou buscar ao chão, mas sim a uma banca no hipermercado, quanto mais "tshértes". Mais; quando gritam a plenos pulmões que aquilo é produto nacional, não estão a tornar as coisas mais apelativas. Toda a gente sabe que em Portugal, de bom a gente só tem o CR7, e nem sequer vem do continente.

Fascinou-me o sistema hierárquico que regula os vendedores de serviços. Os plebeus vendem a partir de uma caixa da fruta ou de um cartão no chão, como já vos tinha dito, depois ganha-se direito a uma pequena banca, o estatuto aumenta à medida que a nossa banca aumenta e tudo culmina em sermos reis de um determinado artigo. Há o rei dos boxers, o rei das meias, o rei das panelas e por aí fora. Sinceramente, não sei o que resta alcançar após sermos coroados reis das meias. É a mais pura das realizações profissionais.

Após termos passado por todas as ruas, fomos embora mais informados, mas sem termos comprado nada. Não sei se foi por causa do meu ar de reprovação para com a namorada  quando pegou numa mala para avaliar a extensão da sua falsidade ou se foi por medo (dela) de que apanhassemos porrada por causa de algum dos meus comentários em voz alta.

Ter-me-ia despachado mais depressa se não tivessemos, a dada altura, duas mulheres à nossa frente em cadeira de rodas, daquelas eléctricas. Com a primeira até tive paciência e não disse muitos palavrões, mas com a outra deu para olhar bem para ela e tirar-lhe a pinta. Ela, claramente, não pedacia de deficiência. Parecia ser apenas uma preguiçosa que se acha mais do que os outros para estar a tocar com os próprios pés na feira. Detesto gente preconceituosa.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Espirroto

Cá em casa andamos os dois doentes. Ainda não estamos às portas da morte, e penso que desta nos conseguimos safar. Ainda assim, estar doente é arreliante. Uma pessoa quer dançar o créu e doi o corpo, quer cantar Michel Teló e doi a garganta e o olho do cu... uma maçada.

O ritmo a que temos gasto lenços de papel tem sido bastante superior ao da sua compra. Uma pessoa compra um pack de lenços mentolados, e quando chegamos a casa já nos estamos a assoar às mangas. Ao fim de semana, se nos vestimos pior, as pessoas afastam-se de nós porque parecemos um casal de drogados, dada a vermelhidão dos nossos olhos e o constante fungar que nos assola.

Uma das coisas que nos causava mais transtorno nisto de virmos morar juntos "tão cedo" (há quem passados seis meses já esteja casado, portanto também não somos assim tão malucos) era a possibilidade da magia acabar mais depressa do que o previsto, dada a convivência num apartamento com apenas uma casa de banho. Há vicissitudes da vida de casal que não coincidem com as necessidades de dois pombinhos que ainda namoram como deve ser e que ainda se estão a conhecer. São elas, a saber, arrotar, peidar, mijar e cagar.

Eu até acho que conseguimos fazer uma gestão emocional das nossas vergonhas muito eficaz. Tudo aquilo que dentro nasce, com cada um fica, e não há cá daquelas merdas de mijar com a porta da casa de banho aberta porque ai que nos amamos tanto e isto é que é confiança e vida saudável em comum. Mais, quando chegamos a casa e a minha vontade de cagar se avizinha tremenda, eu tenho o cuidado de a avisar com um suave "se tens vontade de mijar é bom que o faças depressa porque eu tenho aqui um nado morto em decomposição no intestino que vai empestar a casa de banho até à hora do nosso chazinho de lucia-lima nocturno". Há amor e cuidado com o outro neste lar.

Nada nos podia ter preparado para este novo desafio enquanto casal. Tenho a certeza de que já vos aconteceu mas que nunca foi baptizado. Sabem aquela altura em que vão espirrar tão alarvemente, que se fartam de puxar ar para a garganta até finalmente se livrarem da comichão final, acabando tudo num inevitável arroto? Pois, isso é o espirroto.

Estávamos a ver The Walking Dead e começámos a espirrar compulsivamente. Ainda para mais, quando um começa, acaba por contagiar o outro. A garganta estava tão congestionada que a necessidade de ar era ainda maior do que o habitual. O espirro nunca mais sai mas a garganta continua a puxar mais e mais ar, isto à vez, num festival de ATCHIIIIIIM BLUUUUUUUUUUURP de parte a parte. Ainda a tentei seduzir depois disto mas ela rapidamente me lembrou da figura que estávamos a fazer. Estamos em pijama, todos desgrenhados, está a sair ranho do nariz como quem acabou de sofrer um corte na jugular e estamos a arrotar que nem suínos. Não vai acontecer mais trocas de flúidos para além disto, como é óbvio.

O espirroto é badalhoco mas não é compatível com a badalhoquice do roçanso. Já que não há sexo, que haja cegripe.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A única crise que me emociona é a leonina

Se tivesse de comparar o clube do meu coração a um partido político, neste momento, teria de ser o Partido Socialista. Ambos estão adormecidos e sem ideias.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Melhor piada que ouvi hoje

Novo perfume:

À procura de Maddie, by Cacharel

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Rui Veloso had it all wrong...

Não se ama alguém que não é da mesma cor política.

Evolução dos reality shows em Portugal

2001 - Big Brother, TVI


Enredo:

TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER? TAJABER?

2012 - Secret Story 3, TVI


Enredo:

MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO! MANO!

Só estou à espera...

...de saber qual é a marca que está por trás daquela palhaçada da Diana do banco de jardim, para poder exercer o meu direito de não a voltar a comprar.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Greve geral

Fazer uma nova edição da Casa dos Segredos é o mesmo do que fazer uma greve dos transportes, mas só que com putedo. Há gente por todo o país que agora ficou sem alternativa e tem de recorrer aos seus próprios meios para chegar ao destino.

domingo, 16 de setembro de 2012

Eu não fui à manifestação...

... porque não cumpri os requisitos mínimos da malta que mais admiro e que foi. Não tenho um iPhone, ando com algum deficit de estilo, não tenho feito férias em lado nenhum de jeito e não andei antes às compras na Vogue Fashion's Night Out.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Suplemento alimentar precisa-se

Tenho uma cadela hospedada cá em casa por uns dias. É muito simpática, calminha e bem educada, mas tem um problema: caga-se.

É claro que as mulheres também se cagam, e não é por isso que deixamos de andar atrás delas. A diferença é que, se eu não mexo na minha merda, muito menos vou mexer na merda dos outros.

Achei que a coisa se controlava até mais daqui a bocado. Moro perto de uma escola, outro sítio cheio de animais. Se levar a cadela à rua depois da escola terminar, a probabilidade de verem o meu olhar de desprezo enquanto a cadela caga onde bem lhe apetecer, sem que eu me digne a limpar, é bastante mais diminuta.

Mas não, vamos ignorar os sentimentos do Pedro. A cadela começou a pedir-me, delicada mas insistentemente, para ir à rua. Vá lá, ao menos sabe que eu a mato se ela se borrar aqui em casa.

Afinal parecia não ter vontade. Parecia, até chegarmos ao portão da escola, onde outros pais vinham buscar as suas crias para as passearem. Cagou-se toda pelo meio da estrada sob o escrutínio de vários meninos. Alguns deles, se antes exibiam um olhar enternecido perante o porte altivo mas doce da cadela, rapidamente passaram aos esgares de nojo. Só para verem como a coisa foi má, até um menino pretinho ficou ligeiramente incomodado.

Achei que a minha reputação seria mais prejudicada se não desse serventia ao produto intestinal do bicho. Não tinha era ideia de que a coisa estava tão mole. Apanhei os dois bocados maiores (estava tudo espalhado por todo o lado, parecia os momentos mais viscerais do Rambo 4), fazendo de conta que não tinha visto o resto, e segui viagem. É que os sacos têm um certo limite volumétrico e eu não queria ter de passar ácido clorídrico nas mãos quando chegasse a casa, na esperança de as conseguir desinfectar.

Venho, portanto, perguntar se alguém conhece alguma merda que eu possa por na comida para a merda do cão ficar dura como aço. Não tenho grande problema se for algo que lhe afecte a curto prazo a esperança média de vida. Pelos vistos, os donos também não, ou não a teriam deixado comigo.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Quando é demasiado bom para ser verdade...

... é porque não é.

Um dos hobbies da Unida de Facto é ver casas. Está sempre à procura da próxima onde vamos morar, ainda que mal tenhamos chegado a esta. Já para mim, tudo está bem, tudo está óptimo, desde que a pressão do chuveiro não seja má. Aliás, por mim, testar uma casa, se os senhorios não achassem estranho, seria cagar para ver se o formato da sanita é muito propício a salpicar o cú, seguido de uma chuveirada para ver se o jacto por si só é suficiente para tornar alvo aquilo que deixou de ser imaculado.

Neste caso, até eu fiquei surpreendido. Não é que não goste da zona onde estamos agora, mas íamos ficar mais perto do centro de Lisboa, poupar dinheiro em gasolina, e as contas estavam incluídas na renda. O único pormenor estranho era o facto de o dono do imóvel ser estrangeiro. Tinha comprado casa para a filha cá estar, mas entretanto voltou para o país de nascença, deixando a casa desabitada.

Ela pulava de contente. Eu não pulava porque não é fácil para mim esboçar sentimentos. Talvez aconteça quando a Playstation 4 sair, mas neste momento nem tanto. Mas sim, também comecei a achar que aquela seria a próxima casa. Isto até reparar que ela dizia que tinha 58 anos, sendo que o email ERA DO HOTMAIL E ACABAVA apenas em xxxxxxx1960@hotmail.com. Para ela a parte estranha revelou-se no método de primeira visita à casa, entrega de chaves e pagamento, mas para mim o endereço de email é o espelho da alma.

As respostas aos emails de pedido de informações eram demasiado rápidas, e revelavam demasiado da vida privada, pedindo também para conhecer um pouco mais de nós, de modo a saber se seríamos bons canditatos. Isto até ao momento em que a patroa lhe pediu cópia do documento de identificação e contracto modelo para estudar o cenário. Ah, e de termos descoberto outras pessoas noutros países que denunciavam o mesmo género de anúncio também é capaz de ter ajudado. Não foi tão flagrante como o endereço de email, mas sim, ajudou.

Ao príncipio, e tendo a minha namorada pedido para a ajudar com o inglês, aquele que colo em baixo era o email que eu lhe queria mandar. Ela achou melhor não. Agora que descobrimos a verdade tenho pena de não o ter feito.


Hello Mrs Richardson:

Thank you for fast response. We like the house very much and we would like to move quick.

We promise to take good care of house. We have many hobbies but none of them very damaging to the space. I live with Pedro and we will be the main persons to live in your house. We like to run, to read, to sex and to watch TV. Pedro doesn't like to read very much, he likes more to sex.

I am 25 years and I am a lawyer. He is 61 and is a teacher in kindergarden. He would like to know if there is basement in the house. Is because he needs a safe place to store his daughter of a previous marriage. She doesn't like to  read or sex very much, but she has tried to run away a few times in the past. She likes running like us, at least. Nowadays we just laugh about it, but in those times it was hard to maintain the harmony inside house.

Don't worry about payment. Pedro almost always sells babies from his daughter. American parents usually love our products. When they don't, we send babies to China. Nike is like the military service. When you don't have perspectives in life, you go there. They pay little, but what you expect from three year old girl who only sows twenty two pairs pairs of Air Jordans in a hour?

When you come visit us we make dinner for you. Do you like vietnamese food? Mr. Phung's mother-in-law just died and we have plenty of her in fridge. Tastes just like chicken, I promise. Pedro is good cook and have fun cooking.I mostly take care of vegetables. Gotta be healthy, right hahahahaha? =)

Hope to hear more from you and see more from you too.

All the love in the world,

A. and Pedro.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Parvoolimpicos

Cenário:

Eu e a unida de facto corremos alegremente (not, suplício) na zona onde moramos, como é habitual (not, é quando calha) no nosso treino de fim de tarde. Na última volta, apesar de estarmos com os bofes meio de fora, costumamos fazer uma corrida.

Eu - Corrida?

Ela - Sim, a contar a partir do próximo candeeiro.

Começa. Ela vai por dentro e ganha vantagem. Eu abrando na curva porque as solas dos ténis já não estão famosas (nunca mais sigo as sugestões dos looks por menos de 100€), e não me quero espetar na areia da curva, indo com os cornos às pedras.

Asfalto. Começo a desenvolver a minha velocidade fenomenal, quando ela já dava a coisa por garantida. Ultrapasso-a, para não mais perder a liderança.

Ela - EI, ISSO É BATOTA!

Eu (a arfar) - Porquê?!

Ela - As tuas próteses são mais compridas do que as minhas.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Bullshit



E é por isto que uma criança não deve sair cedo da escola. Marcelo fê-lo, e aqui se vê o bonito resultado.

Ainda que argumentar a favor da tourada seja estúpido, ao mesmo nível de ganhar uma torradeira no Preço Certo, há melhores argumentos do que este. Ou então o Marcelo tem razão. Vamos experimentar dar-lhe um pontapé no meio da rua e ver se ele investe sobre o castigo. Ah, e está provado que o touro não sofre assim tanto quanto as pessoas pensam, ainda que se veja o sangue a correr depois de lhe espetar ferros. Quem o provou foi um primo do Marcelo, que é cientista numa ganadaria. E pronto, estes dois pontos para ele são o essencial.

Para mim, o essencial, era que ele tivesse concluído pelo menos o 12º ano. Talvez falasse e raciocinasse tão bem como monta. Ou melhor.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Para todos os grandes amores há uma grande música

Don't know much about history
Don't know much biology
Don't know much about a science book
Don't know much about the french I took

But I do know that I love you

And I know that if you love me too
What a wonderful world this would be

Don't know much about geography

Don't know much trigonometry
Don't know much about algebra
Don't know what a slide rule is for

But I do know that one and one is two

And if this one could be with you
What a wonderful world this would be

Now I don't claim to be an "A" student

But I'm trying to be
So maybe by being an "A" student baby
I can win your love for me

Don't know much about history

Don't know much biology
Don't know much about a science book
Don't know much about the french I took

But I do know that I love you

And I know that if you love me too
What a wonderful world this would be



sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Não sei que foto...

... hei-de colocar no meu perfil do Facebook, se a do Senhor Fernando ou a do Canuco. Tentei a da Fanny mas recebi uma mensagem de erro do site; não albergam fotos daquele tamanho.

Bomboca, BATES FORTE CÁ DENTRO!

O único crime...

... cometido pelas Pussy Riot foi a ausência de qualidade na sua música.

Fanny, dá-te por feliz não seres russa.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

É que não é só a obra que é má...

...é todo o tempo que se perde a ensinar um javali a cantar, quando podia ser utilizado para matar a fome nas regiões mais desfavorecidas da África subsariana.

No mais profundo estado de choque

A cultura portuguesa está de luto. Volta, Jorge Martinez. Estás perdoado.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Improbabilidades

Estão duas gajas na televisão. Nada de estranho.

As gajas estão na RTP2. Começamos a chegar perto da barreira do insólito.

As gajas estão vestidas de escuteiros. De repente, tudo se torna-se mais credível. Gajas no canal 2, faz sentido que pertençam a uma associação do género.

Confirma-se, não se trata de um concurso qualquer. As fardas são a sério. Para além das actividades, falam da importância da vivência religiosa aliada à natureza. Tudo bem, uma até tem uma verruga. Até há um velhote de bigode com elas a falar da vida e da fé.

As gajas são boas.

Repito, as gajas são boas.

Quantos escuteiros há em Portugal? Só há lá dez gajas, e boas são só estas duas, certo?


sábado, 4 de agosto de 2012

A única forma...

...de voltarmos a ganhar alguma medalha no atletismo, nomeadamente numa das disciplinas de corrida, era remeterem para uma competição à parte todos os etíopes, quenianos, marroquinos e afins.

Já estou a imaginar: Poorlympics of Kinshasa 2016.

domingo, 29 de julho de 2012

Quezília conjugal

A minha namorada é mais teimosa que uma coisa qualquer (ela achou "mula" um bocado ofensivo).

Há uns dias, estávamos a correr e eu reparei numa foto que, dado o timing era, no mínimo, curiosa.

- Olha ali o Renato Seabra! Mesmo estando preso ainda serve de publicidade a esta malta.

- Não é nada, tás maluco! Tás a ver pior. És maluco dos cornos.

- É claro que é! Doida és tu, ó!

- NÃO É, CARALHO!


Gente, é claro que é o Renato Seabra. A foto não é grande coisa. Se não acharem conclusiva, em vez do telemóvel e de noite, vou lá com a máquina e de dia e tiro uma de jeito.

Segue em anexo outro foto, a título de comparação.





É ou não é o mesmo gajo, porra? Quem está maluco? Eu ou a patroa? Quem precisa de levar uns valentes açoites logo à noitinha?


quinta-feira, 26 de julho de 2012

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Ou então sou eu que sou antiquado

Há certos revivalismos que não consigo compreender.

Eu usei religiosamente este tipo de relógios (aquele com que eu andava mais ainda conseguia não ser tão maricas porque era preto, embora não fosse daqueles com calculadora) entre a primária e o ciclo, e não foi por isso que a minha experiência escolar foi mais agradável. Aliás, era capaz de jurar que apanhei porrada por causa do aspecto que isto me fazia ter (vá, as calças de bombazine também podem ter contribuído).

De repente, voltam a estar na moda. Voltam não, começam. Começam? Até disso tenho dúvidas. Acho que se trata apenas de meia dúzia de celebridades com daddy issues que os começam a usar porque não têm mais nada para fazer e depois há meia dúzia de fashionistas americanos que acham cool. Para completar a receita, outra meia dúzia em Portugal lê os mesmos blogs e pum: estamos todos dentro do barco do ridículo (menos a Somália; cometer menos crimes de estilo é um dos poucos benefícios de não se ter guito).

Será que nasci na década errada? Foi um erro os meus pais se terem descuidado na década de 80?

terça-feira, 17 de julho de 2012

Como não fazer o Querido Mudei a Casa


- Nesta rua tão barulhenta, mesmo com o viaduto ao lado, fazia todo o sentido mudar esta caixilharia velha e colocar vidros duplos.
             Maria da Graça e Joaquim sofrem de acentuada perda auditiva.

- Queríamos dividir o jardim em espaços de lazer distintos, bem delimitados pelos elementos decorativos. E o que será mais relaxante no Verão do que dormir a sesta numa das camas de rede que colocamos na zona do deck?
             Celestina é muito manca de uma perna.

- Com estes elementos florais, tornamos aquilo que era um espaço muito antiquado num local paradisíaco e requintado.
             Apesar de gay, Jeremias é fã incondicional de Marylin Manson.

- Natércia, pode tirar a venda e seja feliz.
             Natércia conserva apenas 25% da visão, após ter esforçado os olhos uma vida inteira nos seus bordados.

- Para guardar os livros escolhi estas estantes em carvalho. Não há outra madeira que faça tão bem o casamento entre cultura e classe.
              Miguel, político português.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

It's Friday, I'm in love


Não vai acontecer

Parem de me encher o facebook com merdas para ganhar Iphones 4s e Samsungs Galaxy S3 e o caralho. Estão-lhes a fazer a papinha toda, eles a rir, e vocês a voltar para casa todos os dias com o vosso Nokia 3110. A paciência tem limites. A título de exemplo, alguma vez o Pipoco Mais Salgado fazia isso nos vossos murais? Haja mais vergonha na cara.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Melhor citação dos últimos tempos

"If you can afford to hire yourself, you're too cheap."

Bambi Cantrell

domingo, 8 de julho de 2012

Surpresa!

Se chegasse ao meu carro no dia de aniversário e o visse coberto de post its, ficava doido. Podem ter escrito "amo-te" e afins, mas para mim é como se dissessem "chupa, cabrón!". Não consigo entender como alguém pode achar romântico, fofinho e especial. É apenas estúpido. Depois lá fica o idiota montes de tempo a tentar tirar aquela merda, às vezes sob os olhares de terceiros. A sério que não se conseguem lembrar de nada mais significativo e menos trabalhoso?

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Pesadelo em Blog Street

Demorou muito tempo a perceber que era um sonho. As pistas eram óbvias, mas o cansaço da noite anterior teimava em não as querer revelar, toldando-as num misto de rebolanço na cama e baba na almofada.

Devia logo ter percebido quando dei por mim a frequentar um workshop acerca de como tornar a minha imagem o mais indicada possível para diversos empregos possivelmente pretendidos e o Arrumadinho não era o formador (mais: estava lá para aprender). Eu nunca faria isto. Eu iria a um workshop para o dar, nunca para o receber. Tenho um certo complexo de superioridade que advém do facto de não ter recebido carinho suficiente em criança (até aos meus 9 anos o meu berço era uma embalagem gigante de Tide que tinha vindo de americanos destacados na base das Lages) e querer, portanto, ser sempre aceite, armando-me em bom para compensar.

Os meus colegas de formação eram todos bloggers. Uns mais conhecidos, outros menos. Tínhamos a Pipoca dos Saltos Altos (aquela que não lançou um cd, não tem uma loja, não tem um perfume, não tem um almanaque comboniano, não organiza eventos, não foi à Lua, não participou num filme do Manoel de Oliveira, não vai à Rússia três vezes por ano, não apresenta um telejornal e não cria chiuauas para exposição, mas que ainda assim consegue ser simpática que nem ela), a Pólo Norte (eu juro que I <3 Pólo Norte mas não curto o Natal e mais depressa passava a ser do Benfica do que me punha a mandar postais ou a pedir a crianças no Burundi para segurar folhas A4 a dizer o óbvio já supracitado, já que quem não gosta da Pólo Norte ou é estúpido ou gaja) , o Róbene (gajo engraçado como eu, que também não se esforça para ser lido e ter seguidores , sendo por isso o único blogger com IQ  >90 com quem eu posso competir em termos de visualizações), o Tolan (que é, na realidade, um alien da Guerra dos Mundos, já que não se joga Battlefield, se bebe whisky e se escreve um romance acerca de gajas, charutos, poker e Battlefield com apenas dois braços), a S* (que foi mandada para a rua uma vez porque não parava de falar na sua relação perfeita e no amor e no escorredor de loiça que tinha comprado para a casa de banho porque já iam em três serviços de chá porque um não chegava e eram tão lindos e foram comprados com tanto amor e na cozinha já não havia espaço para tomar banho e para amor), o já referido Arrumadinho (Deus na Terra, embora eu seja ateu) e mais uns outros. O Alfaiate Lisboeta nesse dia tinha tido falta porque achou piada à bata e chinelos de uma contínua grávida e mamalhuda (embora não se soubesse se a origem do mamaçal era da condição que o futuro rebento proporcionava ou se já era rebentação sucedida na puberdade) e ficou a tirar-lhe fotos em poses várias (e vadias), enquanto a tentava levar para a cama e perceber se era suficientemente viril para fazer um irmãozinho ao nascituro em condições de improbabilidade biológica  (dizem que conseguiu, e eram gémeos).

Eventualmente, a formadora, que era uma espécie de Teresa Guilherme meets Maya meets Paula Bobone meets Marianinha mas sem o meets, lá nos deixou ir ao intervalo para bebermos um cafezito e mandarmos uma mija, uns de pé e outros sentados (só não me perguntei de que forma cada um o fez; fica a dúvida).

No sonho, fiquei na mesa do Arrumadinho, mesmo à frente dele. Não é que o tipo foi genuinamente simpático, sendo que os conselhos que deu se revelaram bons conselhos (já sei como fazer para o puré de batata não colar e ficar mesmo cremoso)? Assim como há quem lhe dê demasiado crédito, há outros tantos que pecam exageradamente por defeito.

Foi demasiado. Acordo sobressaltado, envolto numa cascata de suores frios, a repetir a frase "afinal o Arrumadinho é porreiro, afinal o Arrumadinho é porreiro", vezes e vezes sem conta. Apalpei a cama. Por sorte, não me tinha mijado. Era apenas mais uma noite mal dormida. Mais um bocado e tinha-me convencido a comprar uns óculos de massa, e de que o PES é melhor do que o Fifa.

Tenho de parar de beber leitinho quente com mel antes de ir dormir.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Após a última garfada de cheesecake

De férias no estrangeiro, algures num restaurante australiano:

Garry Kasparov (levantando o dedo): Check, mate!

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Enganador, desolador

Ao ver este desfecho face à selecção espanhola, era como se a Segurança Social tivesse acabado de atribuir o RSI a uma família cigana ao volante de um Audi A5.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Estão todos bem?

A Madonna não decidiu mostrar mais nada de flácido em Coimbra, à semelhança dos últimos concertos, pois não? É que eu temia pela vida de quem, ao olhar para uma mama ou nalga dela, fosse vítima do efeito "Salteadores da Arca Perdida".

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Se tivesse de escolher três palavras...

... que me fazem fugir de um blog sem sequer ler um post até ao fim, não teria dúvidas em apontar "cupcakes", "tendências" e "fashion".

Fazendo o inverso, e para vergonha minha, qualquer um me consegue prender com apenas uma palavra, a partir do momento em que estamos perante qualquer coisa do estilo "gases". Portanto, fashion bloggers por esse mundo fora, se quiserem tornar mais abrangente o vosso espectro de leitores, falem primeiro nos vossos gases intestinais antes de porem a descoberto os mentais.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Ridículo

A publicidade a todo o tipo de marcas feita na blogosfera está a chegar a níveis de vergonha nunca antes imaginados. Qualquer minhoquinha com um blog que tenha mais de cinco seguidores entrega de bandeja a mãe, o avô e a honra (e às vezes a de todos juntos) para ganhar a mais minúscula coisa. O blogger português é como a criança a quem nunca ensinaram que nunca se deve entrar numa carrinha conduzida por um estranho, só porque nos quer oferecer um pacote de pipocas. Gelatina em pó? Quero. Uma pulseira feita com material biodegradável, proveniente do aterro sanitário de Loures? Quero. Uma Luís Vítor (é a versão de contrafacção mais bem sucedida de sempre da Louis Vuitton)? Digam-me já o que tenho de fazer para a ter.

Não são só os blogs pequenitos a exagerar. Aliás, a introdução de práticas conducentes à decadência na blogosfera sempre partiu dos mais populares. Primeiro era apenas uma ou outra caixinha de adsenses da Google, com links para promoções de lipoaspirações e medicamentos de tratamento da disfuncção eréctil (quem comprasse os dois tinha um desconto ainda maior). Depois começaram a aparecer banners maiores. Agora, uma pessoa visita um blog e tem de andar à procura dos posts relevantes no lugar onde antes se encontravam as caixinhas de publicidade.

Anteontem, visitei um blog, daqueles que eram bons em 2006, e que entretanto perderam a piada (porque, convenhamos, o que é que em anos de escrita não foi já dito e o que é que o estilo particular de cada um ainda terá a oferecer naquele formato?!) e, depois de extrair todo o conteúdo promocional, sobrou um "fui passar o fim de semana a badajoz com o meu homem".

Cambada de vendidos. Era só agora o que faltava eu vir dizer que estou a escrever este post a partir de um portátil Toshiba, sem sequer ter essa a necessidade. Porque é que hei-de dizer que, para quem prefere PCs a Macs, esta é uma das melhores marcas que podem ter? O que é que vocês ganham por eu dizer que o meu portátil é lindo e que, apesar de já haver melhor nesta gama de preços (melhor, mas só da Toshiba), me custa a desfazer dele, ainda que eu seja um nerd pelas especificações dos topo de gama quando, lá está, a estética deste e sua funcionalidade é irrepreensível? Eu nem sequer preciso de um novo computador tão cedo. É claro, este poderia tornar-se no portátil de guerra, ficando com um mais recente para utilização caseira e pouco mais. Um segundo computador seria sempre um Toshiba (óbvio), mas nada disto é informação que vos interesse. Se me dessem um, é claro que eu não o iria recusar, tendo em conta o facto de ser uma marca espectacular.

Eu nunca seria capaz de fazer publicidade a uma marca (como por exemplo, a Toshiba), sabendo que isso poderia desvirtuar o conteúdo do blog. É ainda mais nojento quando percebemos claramente que os bloggers estão a fazer publicidade a marcas pelas quais não nutrem qualquer tipo de simpatia especial (ou às quais não reconhecem qualidade), só pelo facto de lhes pagarem alguns tostões ou de lhes darem qualquer presente. Coisa que não acontece com os produtos Toshiba.


terça-feira, 12 de junho de 2012

Quem não tem ideias escreve curtas (tirando a Mulher Certa e o Juvenal)

Onde mora a Cláudia Jacques? Em Linda-a-Velha.

Escolhas difíceis

Um tiro na testa ou ser noiva de Santo António? Subjectivo.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

No domicílio II

- Ó chouricinha, andas-te sempre a queixar de que nunca vamos a lado nenhum...

- Pois...

- ...agora que moramos aqui tão perto, porque é que não vamos passear ao Salão Erótico em Oeiras?

- ...

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Foi avistada anteontem em Carcavelos...

...a diva da Casa dos Segredos, Fanny. Alguns cronistas sociais da nossa praça afirmam que foi a primeira vez que um peixe desta envergadura deu à costa nesta zona, sendo que, apesar de se tratar do maior areal da linha do Estoril, o espaço foi pequeno para acolher tanto a moça como os curiosos.

Acho que estão ser maldosos. Uma baleia não é um peixe, é um mamífero.

domingo, 29 de abril de 2012

No domicílio

- Acho que estou com uma quebra de tensão.

- Põe a cabeça entre as pernas, amor.

...

- Não é nas minhas!

sexta-feira, 27 de abril de 2012

O Ricky Martin português

Jorge Martinez. O nome diz-vos algo? Devia. Cantor, compositor, performer, bailarino, coreógrafo. Intitula-se de "o Ricky Martin português". Um artista completo? Não, é só ele que o diz. A única coisa que bate certo é mesmo a comparação com o Ricky, se bem que num está patente mais virilidade do que no outro.

Ainda assim, é um artista internacional. Internacional porque ninguém o quer cá. Onde é que ele vai para mais vezes? Ao país em que os emigrantes portugueses têm o pior gosto musical de sempre, o Canadá.

A sua filosofia de trabalho passa por uma perseguição da entrega total em palco (diria que demasiada). Afirma que não teria qualquer problema em morrer em palco. Acho que não era o único, embora já leve mais de 20 anos de carreira (um termo cada vez mais subjectivo na conjectura actual) e a coisa ainda não se tenha dado.

Prova número 1:




 0:04 - Ferrari Testarrossa, modelo bastante conhecido nos anos 80, um pouco caído no esquecimento devido ao excelente trabalho de superação que a marca do Cavallino Rampante nas últimas décadas. Eu percebo, o Jorge é um homem de entrega e tinha de ter um Ferrari no vídeo, fosse qual fosse. Alugou o mais barato. Ainda assim, lá por não ser nosso, não significa que se vá pôr a cabrar com ele. Mais respeitinho por aquilo que é dos outros, se faz favor.

0:29 - Ainda não chegámos ao final do primeiro minuto e já sabemos que estamos perante um pervertido. Tudo bem, não será o único. Mas seria mesmo preciso partir os binóculos? Seria. Entrega total.

0:48 - Quando eu andava no secundário, se tinha calor, punha a camisola ou o casaco à volta da cintura e dava um nó. Era moda. A mamã do Jorge assim tem o dobro do trabalho a lavar roupa. Tudo em nome da entrega.

1:14 - Jorge, no refrão, canta "silêncio". É provável que seja a letra que todos os fãs mais conhecem e mais apreciam. Aliás, cantam-na em todas as músicas. Senõr Martinez abre a boca e toda a gente começa logo - "Silêncio!". Para quem, na descrição do vídeo (sendo a conta propriedade do Jorge) escreve "SILÊNCIO" é uma bela e comovente história que retrata o amor em todo o seu esplendor!
Um videoclip enigmático, com uma tenacidade dramática brilhante. Fascínio, sedução, glamour, lamas, areias, ruínas, escombros, falésias sumptuosas, entrelaçadas com dor, desespero e sofrimento, tornam este filme num monumento à capacidade do ser humano, em acreditar e lutar contra qualquer adversidade. Mistério e Amor num filme / videoclip com impacto, poderoso!!!
estava à espera de o artista soubesse, pelo menos, cantar. Lá está, um bailarino dança, uma prostituta aluga o rabo (aluga ou arrenda? deve depender dos casos), um cantor canta.O Jorge tem algumas dificuldades com a parte do canto, embora se denote esforço.

1:34 - Aquilo ilustra o quê? Numa história de amor a donzela tem de banhar os seios com leite? Aquilo é leite, não é?

1:39 - Se eu cantasse assim, ter-me-ia atirado.

2:01 - "Esta ferida que sangra no meu interior..." Nunca tive hemorróidas, mas se tivesse preferia tomar um analgésico (analgésico para hemorróidas é genial). Não se consegue nada a dar pontapés na areia. Visualmente, continua a ser demasiado. Mas há quem goste (normalmente portuguesas que foram paras as limpezas no Canadá, antes de concluirem o 6º ano. de escolaridade.

3:00 - E pronto, isto é apenas badalhoco. Já não basta saber que vai caiar a rapariga de branco por dentro, e ainda tem de a cagar toda de terra por fora. Amigo, isto nem no Canadá é sensual.

E pronto, a partir daqui é apenas a destruição pegada. Ele é telefones, é televisões, é a pia do leite, é pirotecnia... Basta. Silêncio!

4:12 - The end, as palavras que gostaríamos de ter visto escritas mais cedo (lá para os primeiros 10 segundos do vídeo).


A partir daqui revelou-se o meu calcanhar d'Aquiles. Eu deliro com a mediocridade. Não fui capaz de ficar quieto e tive de ir ver duas entrevistas (ok, três) do Jorge Martinez, cada uma a rondar os 10 minutos. Eu sei que tenho coisas melhores para fazer, mas não sou capaz de estar quieto. Uma coisa deu para perceber: penso que há ali um distúrbio de personalidade. O próprio classifica o seu espectáculo de fascinante, entre outros adjectivos, sem ter a mínima noção da realidade. Há por aí alguém formado em Psicologia que o queira identificar este distúrbio(e já agora que me ajudem a perder menos tempo com estas coisas)? Não pode ser apenas narcisismo. Tenho alguma curiosidade.



sexta-feira, 13 de abril de 2012

Devia ser proibido

...um PORTUGUÊS ter a lata de dizer à boca cheia que não gosta do Ronaldo e que acha que o Messi é melhor, seguido de um "ah, e também acho que o Guardiola é superior ao Mourinho". É que mesmo que fosse verdade (coisa que não é, puta que pariu), não se pode permitir uma afronta destas.

Português que tem o mínimo de respeito pelo seu país, e que não combateu no Ultramar (consoante o número de pontos que lá marcou, então teria algumas atenuantes) tem direito de ter três clubes. O primeiro tem de ser um dos grandes. Passando a citar, são o Sporting, o Benfica e o Porto. Bragas e Boavistas e Belenenses e essas merdas, não contam. O meu é o Sporting até morrer (nem que fosse no último lugar da tabela, será sempre um dos três grandes e o resto são bocadinhos de cocó na boca dos maldizentes). Cada um terá o seu, desde que obedeça à regra dos três supracitados. A idade limite estabelecida para se mudar de clube são os cinco anos de idade, na fase de transição para a entrada na escola primária. Todos sabemos que desde pequenos, os miúdos são aliciados para ser dos verdes pelos avós, para ser dos amarelos pelos pais, para ser dos vermelhos pelos tios, para ser do Porto pelos vizinhos ciganos do bairro social do outro lado de lá do viaduto. É difícil estabelecer uma identidade clubística enquanto se é criança. No entanto, há que traçar a linha do aceitável algures.

O segundo clube de cada um será aquele onde o melhor jogador do mundo e/ou o melhor treinador do mundo estiverem colocados. O melhor jogador do mundo é o Ronaldo e o melhor treinador do mundo é o Mourinho, logo, só quem é estúpido é que não diz que o seu outro clube do coração é o Real. Eu já fui do Barcelona nos tempos do Figo, tendo posteriormente mudado para o Real, que apoiarei até prova em contrário. Em tempos já se pôde ser do Atlético, quando o grande Futre lá jogava. De resto, não há excepções a estas regras.

O terceiro clube é o da terra, e aqui é onde cada um tem alguma margem de manobra para demonstrar a sua individualidade. Eventualmente poderão mudar de clube quando viverem há vários anos noutra localidade que não a que os viu nascer, podendo adoptar o clube local.


Caso prático de estudo:

Juvenal, 38 anos, monta as suspensões do Eos na Autoeuropa. Acha que o Messi é melhor porque é mais humilde, é da Académica porque sempre teve o sonho de ter estudado mais, e só mais ligeiramente torce pelo Benfica, em noites de derby ou competições europeias.

ERRADO. O Juvenal é do Benfica. Sabe todos os nomes do plantel do Benfica. Sabe o nome das putas onde os jogadores do Benfica vão depois de terem ganho ao Porto (quando isso acontece, claro; quando não acontece é porque decidiram ir antes e o broche não foi lá muito bem feito, prejudicando a prestação no jogo propriamente dito). A Académica não é um clube grande, logo aqui a coisa morreu. Quanto muito a Académica podia ser o clube da terra, mas não, o Juvenal nasceu em Esmoriz. Logo, é do Sporting Clube de Esmoriz. Mais, o Juvenal defende cada uma das patacoadas que saem da boca de Jorge Jesus. Ele não dá calinadas; devia era ver o seu dialecto elevado, pelo menos, à mesma importância do mirandês.

Quanto a gostar do Messi por ser mais humilde, caralhos o fodam. Os portugueses não têm muitas coisas boas. Os únicos que se vão safando ainda os são vizinhos ciganos do bairro social do outro lado de lá do viaduto, à conta do RSI. E, mesmo assim aquele BMW nem é português, é alemão. Por isso, quando somos mesmo os melhores, vamos pôr de lado a filha da putice da humildade. Nem que o Ronaldo tivesse um equipamento especial banhado a ouro, diferente dos restantes jogadores, e comesse criancinhas pobres ao pequeno almoço, o Juvenal só tem é de dizer que ele é o melhor, a segunda reencarnação de Deus na terra (como se tivesse havido primeira; um snob lol daqui vos envio). Tudo o resto é inválido.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Men, unite.

Já era altura de alguém fazer uma petição para a Pipoca Mais Doce parar de fazer "extreme makeovers". Três tiros, três melros. Ela tem o toque de Mirdas: todas as miúdas em que toca transformam-se em merda.

No meu caso, proibi a minha faneca de concorrer a qualquer iniciativa deste género promovida pela P+D, sendo que isso não significa que não me preocupe com outros colegas de profissão (profissão: fodelhão) que andam à procura de gajas boas.

Até percebo que a Pips tenha de ganhar o guito dela. Todos temos. Não nos estraguem é um recurso que já é escasso. Porque é que ela não pega numa bajarda gasolineira ou coisa do género? É que por cada miúda gira que ela transforma, morre um golfinho. Pelo menos carregue menos na maquilhagem e ABSTENHA-SE DAS GOLAS, que já só morre um pastor alemão com displasia da anca.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Minichuva de Bloggers - fase de selecção

As coisas começam-se a compor; ainda não para ter a certeza de quais serão os 7 escolhidos, mas já está tudo mais encaminhado. Acho é que não vou ser capaz de rapinar o estilo a alguma malta daqui. Já outros facilitam-me o trabalho, dada a sua individualidade.

Arrumadinho - 6 votos
Pipoca Mais Doce - 4 votos
Fode Fode Patife - 3 votos
Crónica das Horas Perdidas - 3 votos
Pipoco Mais Salgado - 2 votos
Quadripolaridades - 2 votos
Espaço do Nuno - 2 votos
Coisas Que Me Afligem - 1 voto
Tolan Baranduna - 1 voto
Gelado Com Chantilli - 1 voto
As Minhas Pequenas Coisas - 1 voto
Brilhozinhos - 1 voto
Sem Compromisso - 1 voto

Dia Mundial da Poesia

Era uma vez uma rapariga do Minho
Que não jogava com todo o baralho.
Naquela até o Arrumadinho
Conseguia enfiar o caralho.

Feliz coinciência;
Era fã da sua escrita.
Seria falta de sapiência?
Teria cultura geral de pita?

Não, era apenas maluca.
Nem era por ser oferecida.
Arrumadinho deu-lhe com a fruta
Com tanta força que até fez ferida.


Queria pedir ao Arrumadinho, desde já, as mais sinceras desculpas por ter usado o seu nome na pequena comemoração desta efeméride. Eu sei que ele nunca comeria uma minhota. Falta de estilo, não é?

segunda-feira, 19 de março de 2012

Minichuva de Bloggers

Imaginem que eu me propunha a imitar o estilo de alguém durante uma semana (quando não há imaginação para se fazer algo de novo, inventa-se).

Quais são os blogs que mais gostavam que eu imitasse? Cada um podia votar em três blogs (para não complicar demasiado a escolha) durante alguns dias (ou até atingir um número de comentários razoável) e eu depois somava e via quais eram os sete mais votados. Escreveria um post por dia, no estilo de cada visado, ao longo de uma semana. Pessoalmente, já sei de antemão quais os candidatos perfeitos, mas a vossa decisão é soberana.

Serei eu capaz de ser fiel à imagem dos escolhidos? Serei apenas um valente palhaço que não tem mais nada para fazer? Decidam-se.

sábado, 17 de março de 2012

Extreme Makeworse

Há os que fazem acontecer. E depois há aqueles que não têm nada de positivo a dizer e criticam aqueles que fazem acontecer. Eu pertenço ao segundo grupo.

Dito isto, e sem querer faltar ao respeito a ninguém (mas faltando), tenho alguns apontamentos a fazer:

A Marta tinha 22 anos. A Marta já era muito gira. Agora a Marta parece uma semi-rameirita de 35 anos. Envelheceu. E colar gola? Um colar gola? Aquilo não é um colar gola. Aquilo é um babete. E há uns às vezes que quase parecem aqueles funis para os cães não coçarem as orelhas. E cabelo castanho cereja? Ok, há vários tons de castanho, qualquer homem percebe isso. Mas aquilo é castanho, não é castanho cereja. Cereja é da cor de uma cereja, não é da cor do cocó. A "moda", às vezes, consegue ser uma merda.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Não sei o que me choca mais

De um lado temos o vídeo da ménage atroz do Castelo Branco e comparsas; do outro temos a nova imagem da Fanny da Casa dos Segredos. Para o vídeo, ia completamente às cegas. Encarei como um teste à minha resistência. Fiquei a saber que o José é como quem vai à guerra; dá e leva. Descobri também que, a julgar pelas declarações tanto do supra como da madame envolvida, ao que acresce a decisão do tribunal, quase toda a gente que fode o faz ou porque está drogada, ou porque foi coagida. Ou isso ou alguém mentiu. Não quero acreditar que pessoas de alto gabarito e com tantos fãs o façam.

Já para a nova imagem da Fanny, pensava eu que era trigo limpo. Pior não podia ficar. Seria uma espécie de anúncio a uma qualquer marca de refrigerantes ou iogurtes, em que se mantém o mesmo sabor (neste caso a labreguice) e se cortam as calorias pela metade. Mas não. Temos ali uma Susana parte 2, mas com uma incapacidade ainda maior para a conjugação dos mais variados tempos verbais.

Ela diz que está uma brasa. Eu digo: mandem-na para a fogueira.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Portugal - República da Irlanda

É tão giro ver as duas selecções a disputar o Mundialito de Futebol Feminino. Elas sabem que aquilo não é futebol a sério, mas mesmo assim continuam-se a esforçar, como se estivessem dentro de um sonho. É ver aqueles totós e rabos de cavalo a dar a dar... Enternecedor. Eu até acho que estão mais do que 11 em campo em cada equipa. As treinadoras devem ter decidido que o que é importante é participar, e que algumas das meninas suplentes iam ficar tristes se não jogassem... Também ninguém nota.

Preocupa-me é o jogo ser feito a esta hora, tão em cima do jantar. É que entre cumprimentarem-se todas no final do jogo (dois beijinhos a multiplicar por não sei quantas jogadoras...), tomar banho e chegar a casa, são uma data de maridos e filhotes que ficam sem papinha.

Olha, golo de Portugal. Força País Lindo (Pedro M. corre pela casa à procura de pompons e um glosszito cor de rosa)! Foi a Ana Gomes que marcou. Parece que seguiu as pegadas da Sara Norte e foi jogar para Espanha, à procura de uma maior projecção. Oxalá o consiga fazer sem ser apanhada.

domingo, 4 de março de 2012

Estereótipos

No Estados Unidos da América, é difícil haver um preto que não se borre todo ou que não desate a correr se, de madrugada, lhe aparecer de repente um polícia e gritar "Freeze, you're under arrest!".

Cá em Portugal há coisas que têm em mim efeito semelhante. Presumo que não seja só comigo, é provável que seja mais generalizado do que eu penso. Uma delas é "Por favor, o seu número de contribuinte".

sexta-feira, 2 de março de 2012

Macho latino, uma raça em vias de extinção

Ficou determinado que seria ela a tratar da roupa. Ficou determinado no momento em que se tornou visível que eu não estava muito preocupado com o facto da roupa lavada se estar a acabar. De resto, quem cozinha aqui em casa sou eu. Ficou determinado na altura em que percebi que o risco de ela me pôr veneno na comida por eu não me preocupar com a roupa aumentaria com o passar das semanas.

De repente, vejo os papéis totalmente invertidos. Eu estou em casa a fazer caretas de nojo com o vídeo das orgias do José Castelo Branco (que, curiosamente, curte mais gajas do que eu pensava), depois de ter sabido através do Vidas do Correio da Manhã online que o vídeo estava disponível na net. Ela está a trabalhar. Alguém tem de trazer o toucinho (ai...) para casa.

Recebo uma chamada. Ela esqueceu-se de tirar a roupa da máquina e pede-me para a estender. Nada mais fácil - pensei eu. Também era só o que faltava ser sempre ela a fazer a mesma coisa. Assenti, deixando-a mais descansada.

Errado. Não se deixa de ser machista de um momento para o outro. Que eu apanhe porrada depois de ter dito "vai mas é fazer-me uma sandes"* após uma crítica qualquer dela, ninguém vê, estamos dentro de portas. Agora, estender a roupa? Tenho vizinhos e uma escola por trás. Há uma loja de tintas e outra de animais por perto. O que é que vão pensar de mim se me virem a estender cuequinhas e collants? Que sou frouxo? Que não consigo manter o sardão levantado e que, por isso, só sirvo para dono de casa?

Tracei um plano. Separei a roupa por grupos (isso ela vai gostar, a colocação das molas não tanto; talvez diga que eu nunca mais tenho de fazer isto, em nome do perfeccionismo caseiro recentemente adquirido) e elaborei um horário com as tarefas. Em momentos separados e muito rápidos, fiz várias incursões ao estendal, de maneira incisiva e furtiva, como se estivesse em missão no Afeganistão (a analogia não é das melhores, já que espetar balázios em árabes é capaz de ser bem mais divertido e viril).

Acho que não fui visto. Vou é apanhar logo à noite por ter escrito este post. Apanhar, como quem diz: desta vez vou estar bem preparado. Assim que sofrer o primeiro ataque, vou atacar com cócegas nas axilas, enquanto ela fica sem respiração e solta um misto de risinhos e gritinhos que se traduzem em qualquer coisa como "NÃO PODES FAZER ISSO, EU SOU UMA MENINA".


*Ficou ofendidíssima. Disse que eu não podia brincar com aquilo e ser machista porque havia mulheres obrigadas a usar burca que, quando comiam um gelado, apanhavam porrada se ao levantarem o pulso o tecido descaisse e deixasse à mostra um bocado de pele. Eu podia ter respondido de várias formas, mas optei pela via diplomática. Fingi que também estava ofendido e gritei:

O quê, mulheres de burca a comer GELADOS????!!!!!!

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Sensualidade feminina

De modo a preparar-me para fazer coisas importantes, costumo sempre consultar alguns sites que me põem mesmo naquele comprimento de onda certo. Um deles é o "The Superficial", um site de rumores acerca de celebridades. Digamos que é uma espécie de Vidas do Correio da Manhã mas em razoável. Inocentemente, deparei-me com esta imagem:


Isto para mim sim, é a definição de bom gosto e sensualidade feminina. Isto, dois pontos: é a Arianny Celeste (a gaja da foto) porque não vou por aqui fotos da minha namorada em bikini. Essa é para eu ver e os outros olharem quando toparem que eu não os consigo topar.

A razão para eu achar que isto é a definição de sensualidade é muito simples. A maior parte das gajas acha que seduz se andar na praia quase toda nua, a mostrar as carnes todas. Reparem como a Arianny coloca o mini-pareo para caminhar pelo areal. Não é como essas rameiras que andam com o fio dental todo enfiado na gaveta. Fossem as bordas dentes e aquilo nunca teria uma cárie que fosse. A Arianny sabe que ser-se discreto é uma arma poderosa, remetendo o cú para um foro de maior intimidade.

Deste modo, como os homens não conseguem ver bem o corpo da Arianny, embora ficando a noção de que ela até nem deve ser má de todo (previsão, não certeza), começam a imaginar como será ela por baixo daquelas vestes. Será mesmo sensual ou será apenas uma fugaz impressão? Ao optar por um estilo clássico ela garante que os olhares masculinos, bem como os da Rosie O'Donnell, Dina ou Solange F (ok, masculinos, fui redundante) se mantêm postos nela durante mais segundos do que a média das fêmeas que pululam as praias portuguesas.

Intencional, instintivo? Não sei. Inteligente da parte dela sim, sem dúvida. Miúdas, tapem-se bastante que a nossa baba aumenta proporcionalmente.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Choca-me...

... o facto de ainda não terem ido visitar a filha a Algeciras. Ela pode ter feito muitos disparates, como aquela vez em que deixou que Pedro fosse castigado no lugar dela por ter partido um serviço de que a avó gostava muito. Deveria, no entanto, ser isso o suficiente para abalar laços familiares que se querem sempre fortes?

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Amor é...

A S* acha que amor é "não sair de casa sem lhe dar um beijo, mesmo que ele esteja no seu sétimo sono. Dou-lhe um beijo, ajeito-lhe as mantas e aí sim, posso sair".

Errado. Amor é virem-nos fazer isso e nós não dizermos "deixa-me mas é dormir, caralho", fingindo que continuamos a descansar.

Em retrospectiva...

... não faz sentido escrever quando não há muito para contar. Todos têm anónimos maldosos e eu não. Três mensagens ofensivas em 4 anos. Pfffff. Podia dizer que estava mais gordo, que estava mais magro, que a cor do meu cocó naquela semana era o carmim. Que fiz sopa, comi sopa, lavei a louça. Que caguei no acordo ortográfico, voltei atrás na decisão e tentei a adaptação, voltando a cagar de novo na situação.

Podia mas não faz sentido. Também há muitos rascunhos que ficaram para trás, quando um ou outro podia ser recuperado com sucesso, mas eu não sou aquele tipo de Deus Haiti-style que mata cem e deixa sobreviver dois em condições improváveis para que a maralha pense que se tratou de um milagre e que eu afinal existo.

Quando criei este blog, andava a ter pouco sexo e ainda não tinha Playstation 3. Os poucos projectos de vida que tinha estavam meio estagnados; era preciso arranjar algo novo para fazer, que não passasse por ir a Marrocos e trazer oitocentos gramas de haxixe na pança. Depois fazia como? Comprava um penico? Punha uma peneira na sanita? E o cheiro? Eu que nem nos Labradores gosto de castanho? Raças de cães escrevem-se com maiúsculas? Enfim, tou-me nas tintas para isso.

Agora fodo mais, tenho o Uncharted 3 e contas para pagar. Não sou daqueles bloggers fixes que se safaram, de uma forma ou de outra. Portanto, escrever para quê? Mal tempo tinha para ler todos os blogs de que gostava...

Quando falo em blogs de que gosto, falo daqueles que detesto, que acho fracotes, que acho constrangedores. Mas alguém ainda tem pachorra para ler blogs interessantes, onde se discutam cenas com substância? Até nos blogs, o que nós gostamos é de ver acidentes. Os meus preferidos continuam a ser aqueles que são tão maus que até dão gosto. Nem tempo tenho de esperar que o computador ligue, já estou a usar o telemóvel para consultar as novidades. Acho que sou um hater profissional, entre outras coisas. Resta saber se é hater+outras coisas ou outras coisas+profissional. De novo, nas tintas.

No fundo, isto é um mero pedido de desculpas às quatro pessoas que me lêem. Isto não é uma piada batida sem graça, é mesmo a realidade de ter deixado o blog cair no abandono. A ideia para os próximos tempos é voltar a atingir alguma regularidade, sem desprezar a qualidade a que vos habituei. Espera-vos, portanto, uma renovada dose de geekalhice, de xenofobia e de relatos de processos que só se deviam passar com uma retrete como pano de fundo.

E pensar que tudo isto só se torna relevante porque o Gelado Com Chantilli fechou (ainda hoje não consigo dormir sem verter duas lágrimas de saudade, era mesmo das melhores cenas que havia entre TODOS os nossos blogs). Quem é que ia agora carregar às costas a responsabilidade de manter a blogosfera um local pobre e ignorante? Afinal de contas, eu é que sou o BILF original, não é aquele travesti do Tolan.

Pois bem, assumo a responsabilidade. Eu sei que ninguém quer nem ninguém me pediu mas, por isso mesmo, challenge accepted.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Dos foliões (é tão homo começar posts assim com "Do, Da, Dos, Das")

Podem-se vestir de Zorro, de Homem Aranha, de gaja ou até de funcionários da Emel, mas não deixam todos de parecer apenas uns valentes Palhaços.

PS: foi-se a Whitney, mas porque é que o God não leva a Ivete ou a Daniela? É que se se continua a levantar poeira, ainda se dá um eclipse lunar, ainda que terça-feira já não seja feriado.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Novo hino oficial da APAV

Corta tesão

- Então e o que é que fazes?

- Sou delegada sindical.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Até que ponto...

... é que, caso José Malhoa tenha uma emergência e necessite de suporte básico de vida, uma assistência feita às três pancadas por um médico, com vista ao insucesso, é uma violação do seu código deontológico?

Mudando de assunto, a eutanásia não era proibida em Portugal? Então porque é que José Malhoa foi convidado a cantar no Natal dos Hospitais, melhorando a já de si espectacular música sensação de Michel Teló?

Quem tira duas dúvidas, também tira três. Porque é que o canal ANAMALHOAFANCLUB desactivou os comentários do vídeo, ainda por cima tendo em conta a descrição "depois do grande sucesso com morena do kuduro ele está de volta com ai se te pego josé malhoa sempre no seu melhor."? O melhor de José Malhoa é ser o farol que ilumina a luta contra a obstipação?


domingo, 15 de janeiro de 2012

Actualização no cachet para 2012

O Senhor Fernando cobra 650 euros por cada presença numa discoteca. A Cátia vai passar a cobrar entre 850 a 1500 euros por entrevista. Os finalistas da Casa dos Segredos ganham 800 euros por cada presença, os outros um bocado menos. A Delphine passou a ganhar um tupperware de hóstias cheinho e um jarrinho de vinho de 50 cl para acompanhar por cada presença numa igreja. João M vai ser protagonista na próxima série de Morangos com Açúcar. Fanny vai perder peso e ganhar educação, sendo os honorários referentes aos serviços dos especialistas envolvidos na transformação suportados inteiramente pela Endemol. Ok, esta última é invenção minha.

Isto é chato porque estamos em crise. Eu não queria subir os meus preços, mas a lei de mercado, perante estes desenvolvimentos, diz que eu posso. Se a Cátia cobra tanto por entrevista, quanto é que acham que eu deva passar a cobrar? É que em merda, filhos, tenho eu um doutoramento. Sou capaz de dizer tanta ou mais do que a supracitada, com a vantagem de que, se for preciso, também sei ter uma conversa séria, daquelas em que se conjuga bem os verbos e se sabe o nome das cenas.

Já agora, quantos telefilmes da TVI devo eu aceitar protagonizar? Estava a pensar em 7, mas se calhar é capaz de ser muito cansativo. Depois não consigo dar o máximo rendimento quando estiver nas discotecas a mamar o conteúdo alcoólico de dezenas de recipicientes e a assinar autógrafos pedidos por aquela parte da juventude portuguesa que só cresceu com bosta na cabeça.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Mais um fraco trabalho do Correio da Manhã

Cátia ajuda menino com paralisia cerebral

Não devia ser antes "menino com paralisia cerebral ajuda Cátia"?