segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Tenho toneladas de inveja...

... daquela malta das auto-ajudas e do life coaching. De facto, há muito tanso a comer la palissadas às colheres e eu não consigo capitalizar nisso. A culpa é minha. Sempre pensei que se precisasse de um bom conselho, havia uma palavra para isso: amigo. Se tiver um problema pessoal mais sério para resolver há outra palavra muito boa também: psicólogo. Nunca pensei que se pudesse construir uma carreira tão lucrativa à conta disto. Há sempre mais uma pessoa com o 9º ano que vai ficar fascinada se a inspirarmos com o significado de carpe diem. Os "sonhos de menino" do Tony Carreira também funcionam algumas vezes se fizermos alguém acreditar que aquele menino podemos ser todos nós. Talvez se me predispusesse a abrir tanto a mente ao ponto de correr o risco de poder cair algum bocado de cérebro lá de dentro, conseguisse fazer parte desta tropa sem sentir remorsos.

A sério, alguém precisa de um coach? Por onde é que eu começo?

3 comentários:

AC disse...

Está na moda o coaching, e os livros de auto ajuda vendem mais que peúgas em dia de feira. A malta quer é saídas para o que não sabe resolver e no desespero de causa qualquer merdinha serve.

Yasmin disse...

Concordo com o que disse. As pessoas têm medo de enfrentar os problemas refugiando-se em livros quando às vezes as soluções são óbvias mas há falta de coragem, e livros de auto-ajuda são formas de abafar o medo, e tapar um pouco a falta de coragem e a solidão. A solução está em ter bons amigos e livros de jeito, não de auto-ajuda, é um desperdicio de dinheiro

S* disse...

As pessoas parece que não se safam sozinhas. têm medo. Precisam de ajuda para tudo.