sexta-feira, 14 de março de 2014

O Verão ao virar da esquina

Ao almoço, rimo-nos bastante de uma publicidade que tem começado a passar bastante na televisão, os comprimidos brasileiros para emagrecer.

Para começar, não percebi porque é que o principal factor distintivo era o facto de serem brasileiros. Podiam ser comprimidos de caramelo, de mentol, de qualquer outro princípio activo potente, mas não, eram brasileiros. Da última vez que vi, Globo e Brasil não são sinónimos. Quando era puto pensava "sim senhor, uma brasileira é que eu gostava de ter, são todas esguias e gostosas", mas agora já sei que não há país nenhum em que se diga que a mulher média (e homem, note-se) é geralmente boa. Tirando a Somália e afins, a maior parte das pessoas tem peso a mais e arranja-se pouco. Há quem tenha a sorte de sacar uma bem cativante, mas infelizmente não é a norma, como qualquer nativo de qualquer país nos quer fazer pensar.

Após extensiva pesquisa (deus, a existir, manifesta a sua omnisciência em forma de Google), percebi que lhes chamam de brasileiros simplesmente porque o princípio activo, da família das anfetaminas, é proibído na Europa mas não lá, os seus principais produtores. Para bem dos brasileiros, espero que o estejam a exportar mais do que a consumir. Nós cá produzimos muita merda, mas não só não a sabemos exportar como ainda vamos buscar mais lá fora.

Caso tenham dúvidas, agradeçam sempre à malta do marketing. "Não está disponível em farmácias e dietéticas", ao contrário de fazer alguém correr para o telefone, é apenas um enorme aviso de que, se não está à venda precisamente nos locais devidos, por alguma razão é. E, geralmente, não é boa.

Comer adequadamente, praticar desporto regularmente, foder descomplexadamente.

De nada.

4 comentários:

A Mais Picante disse...

Oh Pedrinho.... Eu sou do marketing... E não tenho peso a mais, já agora.

Pedro M. disse...

Não duvido, ou não fosses a mais picante. De resto, tens de dar tautau aos teus colegas que conceberam a comunicação do produto. Ou então não, que assim a coisa fica mais às claras. A intenção não era referir toda a gente no mundo que trabalha em marketing, mas os que trabalharam naquilo. Que a carapuça não te sirva.

A Mais Picante disse...

Não serve, não, que essa banha da cobra é tão boa como os workshops que vendem felicidade.

Ana A. disse...

Obrigada!