segunda-feira, 26 de maio de 2014

Pela última vez, que já não há pachorra para explicar isto

Mantendo o maior nível de objectividade que me é possível neste momento e, admitindo que das dezasseis escolhas possíveis, nenhuma é boa o suficiente para uma boa parte da população, podemos formular o seguinte:


Não votar = Estou-me nas tintas para o futuro do país; sirvam-se como se estivessem na vossa casa.

Votar em branco = Não sei qual será o mal menor mas, pelo menos, no meu cu mando eu.


PS: Cheguei até a ler comentários de pessoas que acham que devia haver a possibilidade de se poder colocar uma cruz numa última opção extra, a do voto em branco. Porra, não é muito mais fácil para todos simplesmente deixar a caneta sossegada e dobrar logo o raio do papel em quatro?

1 comentário:

Luna disse...

Há sempre o pessoal da teoria da conspiração que acha que se votar em branco podem usar o seu voto e pôr lá uma cruz, por isso preferem votar nulo ou não votar.