quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Amor a meias

        Só mesmo quando uma pessoa ergue as mãos aos céus e pede para que um elástico se alargue um pouco é que a força misteriosa que nos rege teima em não anuir. Eram as meias mais fantásticas de que há memória na história recente da minha gaveta de roupa interior, mas caralhos me fodam se aquelas marcas de falta de circulação não eram o presságio de morte por algum tipo de condição ligada a uma deficiente irrigação sanguínea. Aliás, aquilo não eram marcas; eram autênticos sulcos de um qualquer leito de rio, embora se situassem acima do tornozelo e não pelos lados de alguma terra plantada arriba tejo. Afinal, quem teria a coragem necessária para mandar fora umas meias perfeitamente intactas, que não mostravam sinais de enfraquecimento nem no dedão nem tampouco no calcanhar, logo abaixo do tendão que comprometeu o bravo Aquiles? Seria como uma família de classe média-baixa doar um filho recém-nascido para adopção só porque ambos os cônjuges tinham acabado de saltar de escalão de IRS, negando a hipótese de aceder, nesse ano, ao último terminável móvel topo de gama a prestações, com um pacote com mais minutos do que aqueles que seriam capazes de gastar se ainda tivessem amigos ou toda a família viva.

        Não se deitam fora meias que sobreviveram a casamentos, baptizados, funerais, até a vários jogos de futsal a meio da semana, só porque causam um ligeiro desconforto que nos deixa a sensação leve de que podemos morrer. Não, aprende-se a lidar com a dor, essa insaciável companheira, e tomamos para nós como certo o compromisso de que aquelas serão as luvas dos pés que nos protegerão do frio mesmo no dia do nosso próprio funeral, em si pequenitos caixões das nossas extremidades mantidas unas na caixa que será nossa morada última na breve passagem por este nobre corpo celeste. Em função do odor a que a zona obriga, este é um amor austero mas, minhas queridas meias, adorar-vos-ei até ao meu último sopro ténue de vida.

Sem comentários: