quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

La Famiglia

Quando andava na escola primária, fazia constar da minha assinatura apenas cinco dos seis nomes que me foram dados após o nascimento. O nome omitido (penúltimo), quando isolado, apesar de não ser nada de especial, era um candidato ligeiro a alvo de chacota. Foi precisamente por isso ter acontecido que cedo o deixei de lado, remetendo-o apenas para situações em que era extritamente necessário assinar tal e qual como constava do bilhete de identidade antigo.

Acontece que, e só me apercebi disso há pouco tempo (apesar de me ter sido esfregado na cara várias vezes), o meu penúltimo nome ganha uma renovada genica quando se faz acompanhar exclusivamente do último.

Assim sendo, passei a assinar não com seis, não com cinco, mas com três nomes; Pedro e os dois últimos. De repente, dou por mim a obter resposta com maior celeridade e deferência por parte das instituições a que me vejo obrigado a contactar. Eles devem olhar para o tipo que se subscreve com os melhores cumprimentos e, sem o comprimento antigo do original (desculpa, mãe), deixando apenas a parte sonante, devem achar que sou alguém que merece respeito e/ou é mafioso em fato por medida. É que nem sequer foi preciso recorrer à repetição de consoantes ou a uma preposição. It just works.

Claro que, sempre que me faço anunciar junto da residência de Duarte Pio, volto aos seis nomes, pronunciados de forma muito lenta, para ver se a coisa rende mais.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Odeio...

...quando descubro algo de que gosto muito no blogue de alguém por quem não tenho qualquer tipo de respeito intelectual.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Se ler mais alguma vez...

... que a liberdade de uns acaba quando começa a dos outros, acho que vomito.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Mudança dos tempos

E eis que o novo "mas eu até tenho amigos homossexuais" afinal é "mas eu até acho que eles deviam ter tido mais respeito pelos muçulmanos".

Está tudo igual.

PS: Como é possível que uma pessoa que tanto apregoa o poder do perdão não seja capaz de um simples pedido de desculpas?